Meteorologia

  • 23 ABRIL 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 20º

Edição

Bolsonaro recusa confinamento e obrigar a população a ficar em casa

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, recusou hoje decretar um 'lockdown' a nível nacional, frisando que não usará o seu Exército para "obrigar o povo a ficar em casa", naquele que é o pior momento da pandemia no país.

Bolsonaro recusa confinamento e obrigar a população a ficar em casa
Notícias ao Minuto

19:53 - 08/03/21 por Lusa

Mundo Covid-19

"Alguns querem que eu decrete 'lockdown'. Não vou decretar. E podem ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa. O meu Exército, que é o Exército de vocês. Fiquem tranquilos no que toca a isso. Agora, vamos ver até onde o Brasil aguenta esse estado. Eu quero paz, tranquilidade, democracia, respeito às instituições. Mas alguns estão se excedendo", disse hoje Bolsonaro a apoiantes, em Brasília, citado pela imprensa local.

Bolsonaro, um dos chefes de Estado mais negacionistas em relação à gravidade da covid-19 e que desde o início da pandemia se tem posicionado contra as medidas de isolamento social, voltou hoje a defender que a população brasileira saia à rua, num momento de recordes diários de mortes e novos casos de infeção.

"Parece que está a voltar a onda, o 'lockdown'. Se coloque no lugar do chefe de família que não tem o que levar para casa", criticou o mandatário, referindo-se às novas restrições impostas por vários governadores e prefeitos em todo o país, para travar a disseminação da doença e de novas variantes, como a detetada no Amazonas (P.1), considera pelo próprio Ministério da Saúde brasileiros como "três vezes mais contagiosa" do que a original.

O chefe de Estado brasileiro elogiou ainda a posição do Japão perante a pandemia, e insinuou existirem tentativas para o derrubarem da Presidência.

"No Japão não tem o fica em casa. E é uma população, acho que talvez a mais idosa do mundo. Mas lá ninguém estava unido para derrubar o Presidente. Assim é quase no mundo tudo. Raro são os países que estão aproveitando a pandemia para tentar derrubar o Presidente", disse Bolsonaro, sem dar mais detalhes.

O Brasil, um dos três países do mundo mais afetados pela pandemia, totaliza 265.411 mortes e 11.019.344 infeções pelo novo coronavírus.

Face a um forte agravamento da pandemia nas últimas semanas, os hospitais em quase todo o país chegaram a um nível de colapso, a tal ponto que alguns estados, como Santa Catarina, um dos mais prósperos do país, tiveram que transferir dezenas de pacientes para outras regiões diante da falta de camas de cuidados intensivos.

"Tem um grupo da elite brasileira, de esquerda, me denunciando na ONU, Tribunal Penal Internacional, como genocida, dizendo que o Brasil é uma câmara de gás. (...) Agora, eu pergunto: quem é que obrigou o pessoal a ficar em casa, destruiu milhões de empregos?", criticou ainda Bolsonaro, referindo-se a um manifesto de religiosos e intelectuais que assinaram a "carta aberta à humanidade" denunciando a situação atual do Brasil.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.593.872 mortos no mundo, resultantes de mais de 116,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: Anuladas condenações do ex-presidente Lula, que volta a ser elegível

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório