Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

Enviado especial da ONU pede sanções e embargo global de armas a Myanmar

O enviado especial da ONU em Myanmar pediu hoje ao Conselho de Segurança o estabelecimento de um "embargo global de armas" a este país, assim como sanções internacionais.

Enviado especial da ONU pede sanções e embargo global de armas a Myanmar
Notícias ao Minuto

18:55 - 04/03/21 por Lusa

Mundo Myanmar

Num relatório hoje divulgado, Thomas Andrews, que está mandatado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, explica que "embora o futuro de Myanmar [antiga Birmânia] seja determinado pelo seu povo, a comunidade internacional deve agir urgente e decisivamente".

O enviado especial da ONU recomenda ainda ao Conselho de Segurança - que reúne na sexta-feira à porta fechada para discutir a questão de Myanmar - para impor "um embargo mundial às armas" que possam ser enviadas para este país.

Até agora, segundo Andrews, 41 países, incluindo Canadá e algumas nações europeias, já implementaram esse embargo.

Andrews pede ainda ao Conselho de Segurança que "imponha sanções económicas direcionadas ao exército de Myanmar", para travar as suas fontes de rendimento.

O enviado especial da ONU também recomenda que se direcione o caso de Myanmar para o Tribunal Penal Internacional (TPI), para investigar "os crimes atrozes que foram cometidos, incluindo genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade".

Thomas Andrews também exorta toda a comunidade internacional a "recusar-se a reconhecer a junta militar como o Governo legítimo que representa o povo" da Myanmar.

Em Myanmar, a população manifestou-se hoje novamente para exigir a restauração da democracia, mas o receio estava presente nas mentes de muitos, recordando recentes episódios de repressão mortal desde o golpe de 01 de fevereiro.

"O movimento de desobediência civil não violenta está a revelar-se notavelmente eficaz, alimentando o seu poder (...) dos desejos democráticos e inabaláveis do povo", observou o enviado especial da ONU, que considera que Myanmar "nunca esteve tão unido".

Em 17 de fevereiro, o enviado da ONU reconheceu estar com medo do risco de escalada da violência, pedindo às empresas estrangeiras para cortarem relações com as autoridades de Myanmar.

O cargo de enviado especial da ONU em Myanmar existe desde 1992 e Thomas Andrews foi nomeado no ano passado.

Nas últimas semanas, Andrews tem feito pedidos para falar com a chefe do Governo civil, Aung San Suu Kyi, o que tem sido recusado pela junta militar, que alega os riscos inerentes à pandemia de covid-19.

Leia Também: Myanmar: Boris "horrorizado" com morte de dezenas de manifestantes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório