Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
MIN 7º MÁX 15º

Edição

Insegurança alimentar afeta mais de 16 milhões de pessoas no Iémen

Mais de 16 milhões de pessoas sofrem de insegurança alimentar no Iémen e a situação vai agravar-se devido ao bloqueio da entrada de combustível e ao fracasso no financiamento das operações de ajuda, alertou hoje uma agência da ONU.

Insegurança alimentar afeta mais de 16 milhões de pessoas no Iémen
Notícias ao Minuto

16:17 - 02/03/21 por Lusa

Mundo Iémen

Três navios com combustível permanecem desde o início do ano retidos defronte das costas do Iémen, aguardando autorização para a descarga.

Em paralelo, a conferência de doadores para o Iémen, organizada na segunda-feira pela ONU, foi concluída com resultados dececionantes.

Nessa reunião, os países doadores comprometerem-se a disponibilizar uma verba de 1,7 mil milhões de dólares (1,4 mil milhões de euros), menos do recebido em 2020 e menos mil milhões de dólares (820 milhões de euros) face ao garantido em 2019.

Em comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lamentou a redução da ajuda face aos anos anteriores e advertiu que poderá implicar uma "sentença de morte" para muitos iemenitas.

Na atual situação, e para além dos problemas provocados pela falta de combustível, calcula-se que cerca de 50.000 pessoas estão com fome, cinco milhões à beira da fome, e 11 milhões com graves problemas para garantirem alimentos.

A escassez de combustível implica que a população não consiga aceder aos centros de saúde, hospitais ou mercados, com filas de pessoas até três dias para conseguir gasolina para os veículos, e com a alternativa do mercado negro onde os preços são 180% mais elevados.

A situação também coloca em risco o funcionamento das infraestruturas que disponibilizam água potável e eletricidade.

Segundo a agência da ONU Programa Alimentar Mundial, o aumento do preço dos combustíveis implica uma forte subida dos preços dos produtos alimentares.

"Milhões de crianças, mulheres e homens no Iémen necessitam desesperadamente de ajuda para viver", assinalou Guterres, que pediu mais ajuda aos doadores e manifestou a esperança de que os 1,7 mil milhões de dólares sejam uma "antecipação" de uma verba muito superior.

Leia Também: Iémen: ONU dececionada com menos de metade dos fundos de ajuda pedidos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório