Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
MIN 9º MÁX 19º

Edição

Empréstimos chineses para a América Latina estagnam

Em 2020, pela primeira vez em quinze anos, os dois maiores bancos de investimento públicos da China não fizeram novos empréstimos a países da América do Sul, após quase duas décadas de avultados investimentos.

Empréstimos chineses para a América Latina estagnam
Notícias ao Minuto

10:59 - 22/02/21 por Lusa

Mundo empréstimos

Quando, em 2010, a economia chinesa registava um crescimento de dois dígitos e as suas empresas estatais procuravam expandir-se globalmente, a América Latina, região com escassez de capital, mas rica em recursos naturais que o país asiático precisa, surgiu como o complemento ideal.

Só nesse ano, a China emprestou 35 mil milhões de dólares (quase 29 mil milhões de euros) aos vários países da região.

Volvida uma década, a China parece ter adotado uma postura mais cautelosa, numa altura em que a pandemia da covid-19 obrigou os credores a perdoar ou adiar o pagamento das dívidas dos países em desenvolvimento.

Os dados fazem parte de um novo relatório produzido em conjunto pela unidade de investigação Diálogo Interamericano, com sede em Washington, e o Centro de Política de Desenvolvimento Global da Universidade de Boston, que há vários anos seguem os investimentos chineses na América do Sul.

A crescente influência económica e diplomática da China na região preocupa as autoridades dos EUA, que não conseguiram conter o seu aumento.

A tarefa cabe agora ao Governo de Joe Biden, que alertou já que a influência chinesa na região é uma ameaça à segurança nacional dos EUA.

A China substituiu já os EUA como o principal parceiro comercial de vários países sul-americanos.

Os EUA podem ter ficado ainda mais para trás durante a pandemia, quando a China doou mais de 215 milhões de dólares (177 milhões de euros) em equipamento médico, incluindo luvas cirúrgicas ou máscaras, para os aliados na região, segundo o relatório.

Em comparação, a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional e o Departamento de Estado forneceram 153 milhões de dólares (126 milhões de euros) em equipamento médico.

A China também realizou testes clínicos ou planos para fabricar vacinas em cinco países - Argentina, Brasil, Chile, México e Peru.

"Sem dúvida, parte da resposta à covid-19 na região tem uma face chinesa", disse Rebecca Ray, economista da Universidade de Boston e uma das autoras do relatório.

"É uma oportunidade perdida para os EUA, mas face ao continuo declínio do setor manufatureiro dos Estados Unidos, desde a década de 1990, realmente não há como competir", lembrou.

Mas, embora a pandemia tenha aberto as portas à ajuda chinesa, também tornou mais difícil para os governos pagarem as suas dívidas a Pequim.

Uma profunda recessão de 7,4% na América Latina e no Caribe, no ano passado, destruiu quase uma década de crescimento da região, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional.

Com os mutuários espremidos, a China sofreu um golpe. No ano passado, o Equador negociou o adiamento por um ano de quase 900 milhões de dólares (743 milhões de dólares) no pagamento da dívida com remessas de petróleo.

A Venezuela - de longe o maior mutuário da região - terá recebido um período de carência semelhante.

"Com a região a enfrentar desafios sem precedentes, é improvável que a China faça empréstimos por enquanto", disse Margaret Myers, chefe do programa Ásia - América Latina no Diálogo Interamericano.

"Em vez disso, terá de lidar com um portfólio [de créditos] problemáticos", apontou.

A desaceleração nos empréstimos para a América Latina reflete uma retração global mais ampla, à medida que a China se volta para dentro, para reforçar os seus próprios esforços de recuperação económica.

Bancos estatais e outras instituições da China concederam enormes empréstimos para projetos lançados no âmbito do plano de infraestruturas 'uma faixa, uma rota', que inclui a construção de portos, aeroportos, autoestradas ou malhas ferroviárias ao longo da Europa, Ásia Central, África e sudeste Asiático.

Mas Pequim adotou maior cautela, depois de alguns mutuários revelarem dificuldade para pagar os empréstimos.

As autoridades dizem que examinarão os projetos e o financiamento com mais cuidado.

Embora o fluxo de empréstimos tenha sido suspenso, as compras chinesas de soja, minério de ferro e outros recursos da América Latina permaneceram robustas, ascendendo a cerca de 136 mil milhões de dólares (112 mil milhões de euros).

As empresas estatais chinesas do setor energético também compraram ativos agressivamente, aproveitando a queda nos preços.

As fusões e aquisições chinesas aumentaram para 7 mil milhões de dólares (5,7 mil milhões de euros), em 2020, quase o dobro do volume registado em 2019, de acordo com o relatório pesquisa.

Entre os negócios, destaca-se a venda da maior companhia elétrica do Peru pela Sempra Energy, sediada em San Diego, na Califórnia, à China Three Gorges Corp, acionista na portuguesa EDP.

Outro acordo de 5 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros) deu à State Grid Corp, acionista na portuguesa REN, o controlo de uma grande concessionária no Chile.

Para os líderes da região, é difícil resistir aos empréstimos chineses para projetos de infraestrutura de alto custo. As taxas de juros são baixas e, ao contrário dos empréstimos do Banco Mundial e do FMI, há menos restrições e a aprovação é mais rápida, permitindo que os líderes apresentem as obras a tempo para as próximas eleições.

As autoridades norte-americanas apontam que a assistência dos EUA no exterior é antiga e mais transparente.

"A assistência de Pequim na região é geralmente destinada a promover os interesses comerciais ou políticos da República Popular da China", avisou o Departamento de Estado norte-americano, em comunicado.

Em janeiro passado, no final do governo Trump, a Corporação de Financiamento do Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos assinou um acordo sem precedentes com o Equador para financiar até 2,8 mil milhões de dólares (2,3 mil milhões de euros) em projetos de infraestrutura.

Mas o financiamento total daquele organismo público - 60 mil milhões de dólares (49 mil milhões de euros) - empalidece em comparação com o um bilião (825 mil milhões de euros) que a China reservou para a iniciativa 'uma faixa, uma rota'.

O pacote de empréstimos dos EUA ao Equador foi significativo porque também exigiu que o governo privatizasse ativos de petróleo e infraestrutura e banisse a tecnologia chinesa.

"Isto definitivamente limita a influência da China", disse Myers. "Mas, ao sobrecarregar as gerações futuras com mais dívidas e encorajar o uso de combustíveis fósseis, isto realmente ajuda o Equador no longo prazo?", questionou.

"O tiro pode sair pela culatra aos EUA", disse.

Leia Também: China pede aos EUA que levantem restrições no comércio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório