Meteorologia

  • 02 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 15º

Edição

Investigadores defendem que vacinação de primatas pode evitar pandemias

Solução já está a ser adotada no Brasil para lidar com a febre-amarela.

Investigadores defendem que vacinação de primatas pode evitar pandemias

Cientistas brasileiros defendem que a vacinação de primatas poderá ajudar a evitar pandemias, como por exemplo, a febre amarela.

A BBC conta a história de um grupo de investigadores que já estão mesmo a adotar esta estratégia na Amazónia, no Brasil, em macacos que vivam na floresta e a apenas 80 quilómetros do Rio de Janeiro.

A missão é travar o agente patogénico ainda no corpo do mamífero, antes que este seja transmitido aos seres humanos.

Numa altura em que o Brasil enfrenta a segunda maior taxa de mortalidade causada pela Covid-19, também a febre-amarela continua a preocupar devido à elevada taxa de letalidade na América do Sul.

Os insetos responsáveis pela transmissão infetam 200 mil pessoas por ano, o que resulta em 30 mil mortes anuais. A infeção tem uma taxa de letalidade superior à da Covid-19. 15% dos infetados acaba mesmo por morrer, se não for vacinado.

Há cinco anos, em Minas Gerais e Espírito Santo, em plena Amazónia, houve vários focos da doença que acabaram por se espalhar por várias regiões do Brasil, incluindo o Pará, a 4,800 quilómetros de distância do epicentro da infeção. O surto acabou por se tornar no pior dos últimos 80 anos, com mais de mil pessoas infetadas e 400 que acabaram por morrer.

Perante este exemplo, o biólogo de conservação da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Carlos Ramon Ruiz-Miranda, defende que a elevada densidade populacional de macacos em florestas pequenas facilita as infeções e que o mico-leão-dourado é a principal fonte de contágio animal-homem, no caso da febre-amarela. Os mosquitos são apenas os vetores e os humanos, os verdadeiros responsáveis pela facilidade como o vírus propaga, visto que, são eles que invadem as florestas.

Em entrevista à BBC, Ruiz-Miranda garante que está iminente um próximo surto e que este será muito mais letal do que o de 2016, devido ao crescimento das cidades e a diminuição das florestas.

A febre-amarela causa sintomas como febre alta, icterícia, falência do fígado e hemorragias internas, capazes de matar em muito pouco tempo. No Brasil, apenas 50% da população está vacinada, apesar de a campanha de vacinação ter sido iniciada em 2018, com o objetivo de imunizar toda a população.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já emitiu um alerta sobre facto de não haver vacinas suficientes no mercado para vacinar todos os cidadãos e apelou ao aumento da produção da mesma.

O que os investigadores defendem agora é que será muito mais fácil vacinar os 2.500 micos-leões-dourados que existem na Amazónia do que 7,8 mil milhões de pessoas. E é isso que agora está a ser testado.

Leia Também: Gorilas testam positivo ao coronavírus. Primeiros casos nestes primatas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório