Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 26º

Edição

Organizações humanitárias gregas exigem retirada da Frontex do Mar Egeu

Organizações humanitárias exigem que a agência europeia de vigilância das fronteiras Frontex, acusada de devolver os migrantes no Mar Egeu, cesse as suas atividades na Grécia, enquanto a agência fala em "alegações não comprovadas".

Organizações humanitárias gregas exigem retirada da Frontex do Mar Egeu

A Organização Não Governamental (ONG) grega Legal Center Lesvos e a organização jurídica Front-Lex pediram oficialmente na segunda-feira ao diretor executivo da Frontex Fabrice Leggeri "para suspender ou cessar imediatamente" as atividades da agência no Mar Egeu.

A agência tem dois meses para responder perante o Tribunal de Justiça Europeu, de acordo com um relatório enviado pelo Centro Jurídico Lesvos.

A ONG grega, que documentou, desde março de 2020, dezassete repatriamentos de mais de 50 migrantes entre a Grécia e a Turquia, acredita que a Frontex violou a lei europeia e a Convenção de Genebra de 1951 sobre os Direitos dos Refugiados.

O relatório refere-se à "suspensão unilateral do direito de asilo, em violação do direito de asilo europeu e do direito internacional", em março de 2020, mas também à cumplicidade na "detenção sumária de migrantes nas ilhas do Egeu em portos, autocarros, navios, praias onde lhes foi negado o acesso aos procedimentos de asilo".

A organização acusa a Agência Europeia de ser "cúmplice" na "violência contra migrantes no Mar Egeu em particular e na Grécia em geral", mas também de não ter "conseguido informar de forma transparente, precisa e verdadeira sobre as circunstâncias e o número de repatriamentos em esteve envolvida".

"A Frontex opera impunemente num contexto de violações flagrantes dos direitos fundamentais e das obrigações de proteção internacional", queixam-se as ONG.

Para o porta-voz da Frontex, Chris Borowski, o recurso "instável" destas ONG "baseado em alegações não comprovadas parece fazer parte de uma intenção mais ampla de enfraquecer a solidariedade europeia".

O porta-voz salienta que "nem uma investigação interna nem um relatório preliminar de um grupo de trabalho especial nomeado pelo conselho de administração encontraram até agora provas de violações dos direitos humanos".

Na sexta-feira, a ONG alemã Mare Liberum relatou uma "escalada sem precedentes", em 2020, de repatriamentos de migrantes no Mar Egeu envolvendo a Frontex.

A Frontex está atualmente a ser investigada pelo organismo europeu de luta antifraude, em particular por estas acusações de repulsão ilegal de migrantes.

O governo grego, por seu lado, sempre negou as acusações e, no domingo passado, descreveu-as como "falsas".

Leia Também: Cerca de 116 refugiados da ilha de Lesbos partiram para a Alemanha

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório