Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 20º

Edição

Covid-19: Zimbabué recebeu 200 mil vacinas doadas pela China

O Zimbabué recebeu hoje uma doação de 200.000 vacinas contra a covid-19, fabricadas pelo Sinopharm, propriedade do Estado chinês, tornando-se o terceiro país em África, depois do Egito e da Guiné Equatorial, a adquirir o medicamento.

Covid-19: Zimbabué recebeu 200 mil vacinas doadas pela China

"O primeiro lote de vacinas para o Zimbabué foi entregue com sucesso - começamos a vacinar os zimbabueanos esta semana", disse o Presidente do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, numa mensagem publicada na sua conta da rede social Twitter.

"Quanto mais depressa o nosso país estiver protegido contra este vírus, mais depressa a economia do Zimbabué pode florescer", acrescentou Mnangagwa.

A televisão estatal acompanhou em direto a descarga das caixas contendo as vacinas Sinopharm, que chegarem ao aeroporto de Harare após um voo noturno a partir de Pequim.

O embaixador da China em Harare, Guo Shaochun, disse que a doação estava de acordo com a "amizade dedicada" dos dois países.

O Zimbabué é um dos três países africanos, incluindo o Egito e a Guiné Equatorial, que até agora beneficiaram de uma primeira vaga de doações de vacinas chinesas aos países em desenvolvimento.

Os trabalhadores da saúde, funcionários da imigração e pessoal das casas funerárias estarão entre os primeiros zimbabueanos a serem vacinados.

O país quer vacinar pelo menos 10 milhões dos seus 15 milhões de pessoas para alcançar a chamada "imunidade de grupo", embora ainda não sejam claros os pormenores sobre como atingir esse ambicioso objetivo.

O ministro das Finanças do Zimbabué, Mthuli Ncube, disse hoje que o país vai comprar pelo menos 1,8 milhões de vacinas à China.

Harare também se inscreveu para receber mais de 1,1 milhões de vacinas através da Covax, uma iniciativa desenvolvida pela Coligação para a Inovação na Preparação contra Epidemias (CEPI), a Aliança Global para as Vacinas (GAVI) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) que trabalha para um acesso equitativo à vacina em todo o mundo.

Também espera obter mais três milhões de injeções através de uma plataforma da União Africana (UA).

Os países africanos, com pouco músculo financeiro e dependentes de vacinas desenvolvidas fora do continente, são lentos a vacinar as suas populações e espera-se que as doses comecem a chegar em maiores quantidades em finais de 2020 e 2021.

O Zimbabué, tal como outros países africanos, registou inicialmente um baixo número de casos de covid-19, mas recentemente sofreu um surto que começou a alarmar a elite política.

No mês passado, o país perdeu os ministros dos Negócios Estrangeiros e dos Transportes devido à doença.

O pico das infeções foi atribuído ao regresso de milhares de trabalhadores migrantes zimbabueanos durante as férias de Natal da vizinha África do Sul, o epicentro da pandemia em África e também à luta contra uma variante local do vírus.

Até domingo, o Zimbabué tinha contado pouco mais de 35.000 casos e 1.400 mortes causadas pelo coronavírus.

África regista 3.750.266 infetados e 98.480 mortos devido à covid-19, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

Leia Também: AO MINUTO: Já há simulador para vacinação de utentes com mais de 50 anos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório