Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Seis combatentes estrangeiros pró-regime mortos em ataques israelitas

Pelo menos seis combatentes estrangeiros ligados ao regime sírio foram mortos hoje em ataques israelitas a depósitos de armas perto de Damasco, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Seis combatentes estrangeiros pró-regime mortos em ataques israelitas
Notícias ao Minuto

09:53 - 15/02/21 por Lusa

Mundo Síria

"Seis milicianos não sírios foram mortos" nos ataques, indicou o OSDH.

A defesa antiaérea síria intercetou "um bom número de mísseis, mas muitos atingiram os seus alvos e causaram danos".

Desde o início da guerra na Síria, em 2011, Israel realizou centenas de ataques contra posições do poder sírio e das forças aliadas de Damasco - o Irão e o grupo libanês Hezbollah, dois dos inimigos de Israel.

Em Damasco, a agência de notícias oficial Sana, citando uma fonte militar, acusou "o inimigo israelita de realizar uma agressão com vários mísseis (disparados) do dos montes de Golã, na Síria ocupada, e da Galileia".

De acordo como os media estatais sírios, "a maioria" dos mísseis foram abatidos pelo exército sírio".

Em Jerusalém, um porta-voz do exército israelita, contactado pela agência de notícias AFP, disse que não poderia "comentar" esta informação.

Israel, que raramente confirma os seus ataques à Síria, continua a insistir que não permitirá que aquele país se torne o ponto de apoio das forças iranianas.

Em 2020, cerca de 50 alvos foram atacados, de acordo com um relatório anual divulgado pelo exército israelita.

Em meados de janeiro, quase 60 soldados e combatentes pró-regime foram mortos em ataques supostamente israelitas contra a província síria de Deir Ezzor (leste). Foi o ataque mais mortal já realizado pelo Estado judeu na Síria, de acordo com o OSDH.

Desencadeada em março de 2011 pela repressão sangrenta das manifestações pró-democracia, a guerra na Síria cresceu em complexidade ao longo dos anos com o envolvimento de potências estrangeiras e um aumento de fações armadas.

O conflito já matou mais de 387.000 pessoas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório