Meteorologia

  • 19 ABRIL 2021
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 22º

Edição

Libertação de proeminente ativista saudita foi a "coisa certa a fazer"

O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), o democrata Joe Biden, considerou hoje que a libertação da ativista da Arábia Saudita pelos direitos das mulheres Loujain al-Hathloul foi a "coisa certa a fazer".

Libertação de proeminente ativista saudita foi a "coisa certa a fazer"

"Ela é uma importante ativista pelos direitos das mulheres e libertá-la era a coisa certa a fazer", sublinhou o chefe de Estado norte-americano durante a primeira visita ao Pentágono desde que foi empossado.

A reconhecida ativista dos direitos das mulheres na Arábia Saudita, Loujain al-Hathloul, foi hoje libertada da prisão, após ter cumprido quase três anos de detenção por acusações que geraram fortes críticas a nível internacional.

A libertação da ativista foi anunciada pela sua família através da rede social Twitter.

No passado dia 28 de dezembro, Loujain al-Hathloul, uma das vozes que mais pressionou para o fim da proibição de décadas que impedia as mulheres sauditas de conduzirem, foi condenada a cinco anos e oito meses de prisão por um tribunal especializado em casos de terrorismo.

Na altura, a ativista foi acusada de tentar fazer mudanças e de tentar prejudicar a ordem pública seguindo objetivos estrangeiros, acusações que, segundo classificaram então várias organizações de defesa dos direitos humanos, foram "politicamente motivadas".

Organizações não-governamentais (ONG) de defesa dos direitos humanos e uma relatora da ONU exigiram na altura a libertação imediata da ativista.

A libertação antecipada de Loujain al-Hathloul era esperada com grande expectativa, uma vez que um juiz suspendeu parte da sentença proferida em dezembro e deu-lhe crédito pelo tempo de detenção já cumprido.

A decisão surge numa altura em que a Arábia Saudita enfrenta um novo escrutínio por parte dos Estados Unidos da América (EUA) e da nova administração que lidera a Casa Branca.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, prometeu reavaliar a parceria entre Washington e Riade (anunciou recentemente o fim do apoio dos EUA à uma ofensiva militar liderada pela Arábia Saudita no Iémen) e defender os direitos humanos e os princípios democráticos.

Apesar de ter sido libertada da prisão, Loujain al-Hathloul vai continuar sujeita a condições que limitam os seus movimentos.

Por exemplo, a ativista vai manter-se três anos em liberdade condicional e está proibida de viajar por um período de cinco anos.

Leia Também: Biden anuncia no Pentágono grupo de trabalho para estratégia face à China

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório