Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Brasil recebe pedido para testes da fase três da vacina indiana

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa, órgão regulador do Brasil) recebeu na sexta-feira um pedido de autorização de realização dos testes clínicos de fase três da vacina indiana Covaxin no país sul-americano.

Brasil recebe pedido para testes da fase três da vacina indiana
Notícias ao Minuto

06:27 - 06/02/21 por Lusa

Mundo Covid-19

O pedido foi feito pelo laboratório Precisa Medicamentos, parceira da indiana Bharat Biotech no Brasil, que desenvolve a vacina Covaxin.

"Na prática, isso significa que o laboratório responsável entende ser importante e solicita a autorização da Anvisa para realizar estudos clínicos de fase três no Brasil. Com a entrada do pedido na Anvisa, a Agência vai analisar o protocolo de investigação e verificar se a proposta de pesquisa é adequada para gerar dados confiáveis sobre a segurança e a eficácia da vacina", explicou o órgão regulador em comunicado.

"Para a análise de pedidos de autorização de pesquisa de vacinas, o prazo da Anvisa tem levado de 03 a 05 dias, condicionado à apresentação dos dados necessários para a análise técnica. (...) A realização de estudos clínicos no país permite que a Agência, assim como os pesquisadores brasileiros, acompanhem o desenvolvimento clínico", acrescentou a entidade brasileira.

O pedido surge na mesma semana em que a Anvisa anunciou alterações no protocolo para autorização do uso de emergências de vacinas contra a covid-19 no país, o que pode facilitar a aprovação de novos imunizantes.

O órgão regulador deixou de exigir, precisamente, que as farmacêuticas desenvolvam obrigatoriamente estudos da fase três em território brasileiro para aprovação do uso de emergência de vacinas contra o novo coronavírus.

De acordo com o gerente de medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes, quando o laboratório optar por não conduzir os estudos da fase três no Brasil, deverá atender outros critérios, como o acompanhamento, ao longo de pelo menos um ano, dos pacientes envolvidos no ensaio; garantia de acesso aos dados da vacina na sua totalidade; demonstração de estudos pré-clínicos e clínicos conduzidos conforme as diretrizes aceites nacional e internacionalmente.

Quer a iniciativa privada, quer o Ministério da Saúde do Brasil já manifestaram interesse em adquirir doses do Covaxin, que já está a ser usada na campanha de imunização na Índia, apesar de a Bharat Biotech ainda não ter divulgado os dados de eficácia e segurança da fórmula.

O Governo brasileiro anunciou na sexta-feira que está na fase final de negociações para a importação da Índia de 20 milhões de doses desse imunizante, após reunião do secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, com representantes da Bharat Biotech e da Precisa Medicamentos.

Até ao momento, existem no Brasil duas vacinas com autorização de uso de emergência: a Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac; e o imunizante desenvolvido pela farmacêutica AstraZeneca/universidade de Oxford, em parecia com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (230.034, em mais de 9,4 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.285.334 mortos resultantes de mais de 104,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Leia Também: PGR abriu nove investigações à conduta de Bolsonaro na pandemia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório