Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Morgues sem condições em Moçambique agravam risco de propagação

O Centro de Integridade Pública (CIP), organização não governamental moçambicana (ONG), classificou hoje algumas morgues de Maputo como locais de risco acrescido para a propagação de covid-19 devido à falta de condições para lidar com os corpos de pessoas vítimas da doença.

Morgues sem condições em Moçambique agravam risco de propagação
Notícias ao Minuto

13:05 - 01/02/21 por Paulo Machicane

Mundo Covid-19

Num estudo intitulado "Morgues representam risco de infeção pelo novo coronavírus", o CIP diz que a máquina de desinfeção da morgue central do município de Maputo, que recebe corpos transferidos do Hospital Central de Maputo, o maior do país, está avariada e os funcionários chegam a trabalhar com o mesmo equipamento de proteção, incluindo máscaras e luvas, durante uma semana.

Por outro lado, muitos cadáveres não são reclamados pelos familiares, outros chegam a passar dez dias na morgue e não há câmaras frigoríficas suficientes.

Após15 dias, a direção da morgue faz enterros emvalas comunsdos cemitérios de Lhanguene e de Michafutene, refere o estudo.

Na morgue do Hospital Geral de Mavalane, um dos maiores dos subúrbios de Maputo, os corpos são deixados ao relento a partir das 15:30 (hora de encerramento da maioria dos serviços públicos em Moçambique), devido afalta de pessoal, refere o estudo.

A casa mortuária de Mavalane conta com apenas um técnico, que além de receber e conservar os cadáveres, contacta com os familiares das vítimas de covid-19 para efeitos de tramitação dos funerais.

O técnico da morgue "faz o manuseamento dos corpos que dão entrada naquela unidade e ao mesmo tempo atende [o público] na secretaria da morgue, onde mantém contacto com as famílias das vítimas".

A morgue do Hospital Provincial da Matola, na província de Maputo, também não dispõede condições de conservação e está sobrelotada.

"A equipa de pesquisa do CIP também constatou que nalgumas gavetas das câmaras frigoríficas com capacidade de conservação de um a dois corpos encontram-se arrumados mais de quatro sobrepostos", lê-se no documento,misturando-secorpos de mulheres, crianças e adultos.

"Um outro aspeto colocado pelos técnicos desta área tem a ver com a falta de subsídio e outras formas de incentivopara lidar com a presente situação", destaca-se no texto.

Para o CIP, a situação nas morgues analisadas é de incumprimento das diretivas emanadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no tratamento de corpos de vítimas de covid-19, nomeadamente, formação específica dos recursos humanos, disponibilização de equipamento de proteção individual próprio e intensificação de limpeza e ventilação.

Nesse sentido, o CIP defende o cumprimentodaquelas regras, disponibilização de equipamento de proteção individual suficiente, construção de morgues para corpos de pessoas vítimas de covid-19, aumento e capacitação de pessoal e melhoria das condições sanitárias.

Moçambique tem um total acumulado de 367 mortes e 38.654 casos, dos quais 62% considerados recuperados.

Leia Também: AO MINUTO: Portugal entre os mais atrasados a vacinar; País confina menos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório