Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Atraso na escolha de procuradores pode adiar Procuradoria Europeia

Atrasos no processo de nomeação dos procuradores delegados por parte de alguns países podem impedir que a Procuradoria Europeia entre em pleno funcionamento no início de março, como previsto.

Atraso na escolha de procuradores pode adiar Procuradoria Europeia
Notícias ao Minuto

18:23 - 29/01/21 por Lusa

Mundo UE/Presidência

A questão foi abordada numa reunião do conselho informal de Ministros da Justiça da União Europeia (UE), que hoje decorreu no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e segundo o comissário para a Justiça, Didier Reynders, está previsto que a Procuradoria Europeia inicie funções em março "com 15 Estados-membros".

"Mas precisamos de 22 estados-membros", reforçou o comissário, insistindo na necessidade dos países apressarem o processo de nomeação dos procuradores delegados.

"O trabalho vai continuar a nível bilateral para evitar grandes atrasos. Temos que ter o processo de seleção e nomeação dos procuradores terminado", afirmou o comissário, insistindo na "necessidade de evitar grandes atrasos em seis ou sete Estados-membro".

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, falou do caso português, indicando que a escolha do procurador delegado nacional está em curso, tendo os quatro candidatos -- quatro procuradores do Ministério Público - sido já ouvidos na comissão parlamentar de Direitos Liberdades e Garantias, depois de "terem passado pelo crivo" do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP), que fará a escolha final.

"Assim que o Governo estiver na posse do parecer do parlamento, encaminha-o para o conselho superior", afirmou a ministra.

Tal como o comissário, Francisva Van Dunem assumiu como "grande preocupação" o facto de não se conseguir colocar a Procuradoria Europeia "a funcionar dentro do timing inicialmente previsto", isto é, no mês de março.

Entre outros assuntos, o Conselho Informal de Justiça e Assuntos Internos abordou a questão da necessidade de uma abordagem penal comum europeia às redes de contrafação, em contexto de pandemia de covid-19, a proteção de adultos vulneráveis e a digitalização da Justiça.

Leia Também: Van Dunem pede no PE que não se eternize polémica sobre procurador

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório