Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 18º

Edição

Covid-19: "Timor-Leste devia ter comprado vacinas"

O antigo primeiro-ministro timorense Rui Araújo defendeu hoje que Timor-Leste devia ter optado por comprar as vacinas da covid-19, sem esperar por apoio internacional, para estar já a vacinar a população.

Covid-19: "Timor-Leste devia ter comprado vacinas"
Notícias ao Minuto

07:33 - 27/01/21 por Lusa

Mundo Rui Araújo

Uma opção que devia ter sido contemplada no orçamento para este ano e que permitiria ao país atingir mais rapidamente a imunidade de grupo e, assim, regressar à normalidade e implementar as demais políticas de retoma e recuperação económica, considerou, em entrevista à Lusa.

O também médico disse que o desenho do Orçamento Geral do Estado (OGE) para este ano devia ter previsto a opção de Timor-Leste começar a vacinar já.

"O Orçamento foi aprovado numa fase em que a ciência e a tecnologia e o mundo estava já mais confortável com uma vacina. Timor-Leste podia dar um salto qualitativo em ter acesso a essas vacinas imediatamente em janeiro e vacinar logo as pessoas e isso facilitaria muito a nossa recuperação económica", afirmou.

"Temos dinheiro para isso, podemos negociar com os fornecedores. Do ponto de vista financeiro, não é um grande obstáculo. Devíamos ter tentado aproveitar essa janela de oportunidade", sublinhou o antigo ministro da Saúde.

Essa opção, considerou, permitia ao país criar condições para um mais rápido retorno à normalidade, a reabertura das fronteiras, mudanças em restrições e, assim, proporcionar avenidas para a tão necessária recuperação económica.

Como exemplo, referiu o caso de Israel, que em três semanas já vacinou quase metade da população. "Assim, vamos ter que esperar até junho ou julho. Podíamos ser mais proativos", frisou.

Em vez de ir ao mercado comprar diretamente as vacinas, as autoridades timorenses preferiram subscrever o recurso ao fundo Covax, de apoio à vacinação em países mais pobres, iniciativa que vive com grandes carências de financiamento e atrasos na distribuição.

Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou para o que considerou ser "uma catástrofe moral" mundial se os mais pobres continuarem sem acesso às vacinas.

Para Araújo, "é preciso continuar a conter a pandemia dentro das quarentenas, mas também reforçar a capacidade do SNS para poder responder aos problemas da covid e a outros".

"Vacinar é importante. Vacinar até atingir essa imunidade. Assim talvez só consigamos atingir essa imunidade num ano. E sem isso será muito difícil fazer o resto", afirmou.

Mesmo neste modelo de obtenção das vacinas, no caso timorense será a AstraZeneca (com problemas de fornecimento a alguns países), Rui Araújo defendeu que o Ministério da Saúde tem a capacidade mínima para a vacinação, mas que é preciso "unir esforços" e combater, também aqui, a partidarização dos serviços públicos.

Apesar dos constrangimentos que o país viveu, instabilidade política, chumbo do Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2020 e os efeitos da pandemia em si, Rui Araújo considerou que em "jeito de balanço geral" o Estado timorense "teve sucessos" na forma como tem estado a enfrentar a pandemia da covid-19.

"De uma maneira geral, do ponto de vista de saúde política, Timor-Leste foi um sucesso na resposta às ameaças da pandemia da covid-19 ao país", afirmou Araújo, antigo ministro da Saúde que também integrou o Centro Integrado de Gestão de Crise criado pelo Governo para responder inicialmente à pandemia.

"O maior sucesso foi ter-se conseguido que não houvesse transmissão na comunidade. Também graças aos primeiros passos tomados nos primeiros meses, nos primeiros estados de emergência em que realmente se tomaram medidas drásticas para poder controlar", frisou.

Já do ponto de vista da recuperação económica, o antigo primeiro-ministro disse que "se podia fazer muito melhor", aproveitando especialmente que os casos detetados serem todos importados.

"A componente da atividade social e económica devia ser melhor dinamizada no país, mas infelizmente isso não aconteceu. Com sucessivos estados de emergência dificultou um pouco isso", explicou.

"Do ponto de vista jurídico há essa justificação que sem a declaração do estado de emergência não se pode obrigar as pessoas a ir para quarentena e isolamento. Não sendo jurista penso que se poderia ver formas alternativas de se ver isto", disse.

Igualmente por cumprir tem ficado o objetivo do Governo de permitir o reforço do sistema nacional de saúde, uma das justificações dos sucessivos estados de emergência.

"Eu acho que não se conseguiu os objetivos traçados há um ano. Continua a ver-se uma grande lacuna e deficiência no SNS para poder responder a possíveis aumentos de casos do país, e para responder a situações normais", disse.

Problema, notou, agravado pela imposição de restrições nas fronteiras com o 'stock' de medicamentos e bens consumíveis nos hospitais, centros e clínicas do país "a cair bastante".

Uma vez que a última vez que entrou carga pela fronteira terrestre foi há mais de um mês, em 23 de dezembro, Rui Araújo diz que isso "está a afetar bastante a capacidade do sistema", não apenas do público, mas também do privado, "que tem dificuldade em poder providenciar serviços mínimos".

Desde o início da pandemia, Timor-Leste registou 68 casos de covid-19. Atualmente, tem 18 casos ativos da doença, todos em isolamento.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.149.818 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço da Universidade Johns Hopkins, dos EUA.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: Timor. AR aprova na generalidade a arbitragem voluntária na justiça

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório