Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
11º
MIN 8º MÁX 18º

Edição

Indígenas da Amazónia denunciam tratamento desigual face a vacina

A Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazónica (Coica) denunciou hoje políticas governamentais discriminatórias e injustas na distribuição de vacinas contra a covid-19, que já fez mais de 1,7 milhões de infetados entre povos nativos.

Indígenas da Amazónia denunciam tratamento desigual face a vacina
Notícias ao Minuto

20:10 - 26/01/21 por Lusa

Mundo Covid-19

O coordenador geral da Coica, José Gregorio Díaz Mirabal, do povo Wakuenai Kurripaco da Venezuela, afirmou hoje que "os Governos da região falharam com todos os habitantes da Amazónia, tanto com os indígenas, quanto com os demais que vivem na bacia".

"Mais de 1.775.000 casos e mais de 42.000 mortes falam da magnitude da inépcia e desinteresse dos nossos governantes" para com os povos indígenas, declarou Díaz Mirabal numa conferência de imprensa virtual sobre a segunda vaga de infeções e discriminação na saúde.

Só no Brasil, mais de 30 mil infeções, quase 750 mortes e cerca de 730 casos suspeitos de covid-19 foram registados em 140 etnias indígenas da Amazónia desde 2020, de acordo com dados governamentais e de organizações de povos nativos citados por Díaz Mirabal.

"O avanço da nova vaga de covid-19, agora exacerbada pelo surgimento da variante brasileira, afeta os mais vulneráveis e revela as tragédias que afetam os nossos povos: desigualdade social, pobreza, marginalização e ausência dos Estados nacionais", acrescentou o coordenador da Coica.

O representante das comunidades amazónicas destacou que, até ao momento, a distribuição da vacina continua a refletir a discriminação contra os povos nativos, já que só foi aplicada em "0,0000001%, ou seja, nada".

Face à inação dos governos da Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela, a Coica voltou a lançar uma campanha para arrecadar mais recursos, através do Fundo de Emergência da Amazónia, que desembolsou mais de 2,7 milhões de dólares (2,22 milhões de euros) para as comunidades.

"Precisamos de mais fundos e precisamos deles agora. Na cimeira [climática] 'One Planet' em Paris, muitos países expressaram que querem comprometer-se em solucionar a crise da biodiversidade. Se é assim, então têm de ajudar os povos indígenas, os primeiros a responder pela saúde do planeta", advogou Díaz Mirabal.

O coordenador enviou o mesmo pedido aos participantes do Fórum (Económico Mundial) de Davos, que este ano discutirá um "grande reinício" para proteger a natureza, mas está "a ignorar o facto de que neste exato momento, mais de 400 etnias indígenas estão na primeira linha da frente defendendo ecossistemas, apesar da ausência total da lei e ordem".

Na opinião do dirigente indígena, os Estados da região não cumpriram com o cuidado dos seus povos em 2020 "e ainda não o estão a fazer".

"Mas ainda há tempo de evitar uma catástrofe humanitária e cultural", enfatizou.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.140.687 mortos resultantes de mais de 99,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Leia Também: Covid-19. Investigador brasileiro alerta para risco de novas mutações

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório