Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 20º

Edição

Rússia acusa Estados Unidos de "ingerência" em protestos pró-opositor

A Rússia acusou hoje os Estados Unidos de "ingerência", denunciando um comunicado da embaixada americana em Moscovo exigindo a libertação de Alexei Navalny, divulgado na véspera de manifestações de apoio ao opositor russo.

Rússia acusa Estados Unidos de "ingerência" em protestos pró-opositor
Notícias ao Minuto

13:15 - 24/01/21 por Lusa

Mundo Navalny

Nesse comunicado, publicado na página oficial, a representação diplomática dos Estados Unidos na capital russa apelava aos cidadãos americanos para não participarem nas manifestações de apoio ao opositor, em prisão preventiva desde o passado domingo, dando indicação precisa dos locais onde estas iam ocorrer.

Essa divulgação "constitui, indiretamente, uma ingerência absoluta nos assuntos internos" russos, reagiu hoje o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, em entrevista à televisão pública, citada pela agência francesa AFP.

"Isso constitui um apoio direto à infração da lei da Federação Russa, apoiando ações não autorizadas", afirmou.

Se uma embaixada russa tivesse feito o mesmo em território norte-americano, "tal teria seguramente provocado uma espécie de mal-estar em Washington", acredita.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo já tinha, em comunicado, denunciado o comportamento da embaixada dos EUA, adiantando que esta será chamada para uma "conversa séria".

Em comunicado, a nova Administração dos Estados Unidos, liderada pelo Presidente Joe Biden, condenou "o recurso [por parte das autoridades russas] a métodos violentos contra os manifestantes e jornalistas" nos protestos deste sábado.

As forças de segurança russas detiveram mais de 3.500 pessoas nas manifestações de apoio a Alexei Navalny, que ocorreram em todo o país. Perto de duas mil foram detidas em Moscovo e São Petersburgo, segunda cidade do país.

Antes das manifestações, a polícia russa já havia detido líderes aliados de Alexei Navalny, dois dos quais foram condenados a curtas penas de prisão.

Alexei Navalny foi detido no dia 17 de janeiro, ao voltar à Rússia depois de cinco meses de convalescença na Alemanha devido a um envenenamento, acusado de ter violado, ao sair do país, a liberdade condicional, relacionada com outro processo na justiça russa.

Navalny vai permanecer em prisão preventiva até, pelo menos, 15 de fevereiro.

Vários instituições e países já apelaram à libertação imediata do opositor russo.

Leia Também: França considera detenções na Rússia um ataque "insuportável"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório