Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2021
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Hungria autoriza uso das vacinas Sputnik V e AstraZeneca

As autoridades sanitárias húngaras autorizaram o uso das vacinas contra a doença covid-19 produzidas pela Rússia (Sputnik V) e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, divulgou hoje o Governo da Hungria.

Hungria autoriza uso das vacinas Sputnik V e AstraZeneca
Notícias ao Minuto

14:56 - 21/01/21 por Lusa

Mundo Covid-19

"Na semana passada, as duas vacinas receberam a autorização provisória", explicou o ministro do Gabinete do primeiro-ministro húngaro, Gergely Gulyás, numa conferência de imprensa virtual, na qual deixou claro que o executivo de Budapeste responsabiliza as instituições comunitárias por não poder iniciar, neste momento, a imunização da população húngara com a vacina da AstraZeneca, uma vez que esta ainda não recebeu "luz verde" a nível europeu.

"É preciso acelerar as autorizações, porque estamos a falar de vidas. A autorização da AstraZeneca [vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford] ainda não chegou à União Europeia (UE)", disse Gergely Gulyás, anunciando que, assim que chegar a vacina, as autoridades húngaras irão começar com a sua utilização.

É expectável que a UE autorize a vacina da farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca na próxima semana e que a partir de fevereiro comece a analisar a autorização da vacina russa Sputnik V.

Na quarta-feira, a agência espanhola EFE avançou que o Fundo de Investimentos Diretos Russo (FIDR), um dos responsáveis pela vacina russa contra o novo coronavírus, solicitou à Agência Europeia de Medicamentos (EMA) para que a vacina Sputnik V seja registada, naquele que representa o primeiro passo para que este fármaco --- que já está registado, a par da Rússia, em vários outros países como Argentina, Bolívia ou Venezuela - comece a ser administrado em território europeu.

Ainda sobre a vacina russa, Gergely Gulyás adiantou que o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Péter Szijjártó, irá informar na sexta-feira o Governo sobre as negociações com Moscovo sobre a possível compra da Sputnik V.

O executivo húngaro tem mantido negociações com fabricantes de fármacos em vários países para comprar mais vacinas em grandes quantidades, uma vez que considera que o fornecimento da UE está a ser muito lento.

O país da Europa Central e Estado-membro da UE, com 9,7 milhões de habitantes, terá através da Comissão Europeia cerca de 18 milhões de doses, o suficiente para vacinar cerca de 8,8 milhões de pessoas.

Até agora, quase dois milhões de pessoas se registaram na Hungria para serem vacinadas contra o novo coronavírus.

Perante o que classificou de "lentidão" da EMA, o Governo húngaro anunciou, há poucos dias, a compra de "milhões" de unidades da vacina desenvolvida pela farmacêutica estatal chinesa Sinopharm.

"Se receber a autorização (das autoridades sanitárias húngaras), em poucas semanas poderá chegar a um milhão", disse Gergely Gulyás, sublinhando que as autoridades da Hungria só vão usar medicamentos seguros e eficazes.

Até à data, a Hungria imunizou cerca de 130.000 pessoas com duas vacinas, uma desenvolvida pelo grupo farmacêutico norte-americano Pfizer em parceria com a empresa alemã de biotecnologia BioNTech, e outra pela também norte-americana Moderna.

Deste grupo de pessoas, mais de 120.000 são médicos, enfermeiros e outros trabalhadores do setor da saúde.

A pandemia da doença covid-19 já provocou pelo menos 2.075.698 mortos resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório