Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2021
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 15º

Edição

Centenas de milhares de pessoas em Tigray ainda sem acesso a ajuda

As Nações Unidas alertaram hoje para a deterioração da situação humanitária na Etiópia, onde centenas de milhares de pessoas continuam sem receber ajuda desde que o conflito em Tigray começou, em novembro, devido a restrições no acesso à região.

Centenas de milhares de pessoas em Tigray ainda sem acesso a ajuda
Notícias ao Minuto

14:56 - 15/01/21 por Lusa

Mundo Etiópia

"A falta de alimentos, água e saneamento está a afetar muitas pessoas, ao ponto de já ter sido noticiado um aumento da desnutrição e das doenças relacionadas com a desidratação", disse o porta-voz do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA), Jens Laerke, numa conferência de imprensa em Genebra.

Além disso, de acordo com informações deste gabinete e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), a violência em Tigray está a aumentar e continuam a chegar notícias de civis feridos e mortos no conflito, principalmente nas zonas rurais da região.

As agências das Nações Unidas, juntamente com algumas organizações não-governamentais, conseguiram chegar a algumas áreas, principalmente nas cidades, onde as autoridades permitiram o acesso.

No entanto, o número de pessoas que puderam ajudar é muito baixo em comparação com os 2,3 milhões de pessoas que necessitam de assistência humanitária urgente em todo o Tigray.

O impedimento a esta ajuda humanitária deve-se à insegurança em algumas áreas, mas também a obstáculos burocráticos das autoridades federais e regionais, pelo que a Organização das Nações Unidas (ONU) voltou a solicitar o acesso imediato.

A situação nos campos de refugiados eritreus em Tigray é também muito preocupante, uma vez que a ONU ainda não tem acesso a dois dos colonatos no norte da região, segundo o porta-voz do ACNUR, Babar Baloch.

Por outro lado, mais de 58.000 pessoas atravessaram a fronteira para o Sudão desde o início do conflito, cerca de 500 por dia, segundo o ACNUR, que está a concentrar-se na sua deslocação para aliviar as zonas fronteiriças.

"A transferência da fronteira para os campos de refugiados pode levar de 10 a 15 horas", acrescentou o representante do ACNUR no Sudão, Axel Bisschop.

As pessoas que chegam da Etiópia, de todas as camadas sociais, relatam dificuldades em chegar ao Sudão devido à presença de postos de controlo, segundo Bisschop.

Em relação à situação da covid-19 nos campos de refugiados, Baloch insistiu no seu apelo a todos os governos para que tornassem estas pessoas parte dos seus planos nacionais de vacinação.

O conflito na Etiópia começou no início de novembro, quando a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLT) se rebelou quando as autoridades federais, lideradas pelo Nobel da Paz Abyi Ahmed, decidiram adiar as eleições devido à pandemia de covid-19.

Em 28 de novembro, após a tomada do controlo militar da capital regional, Mekele, pelas tropas federais, o primeiro-ministro etíope, anunciou o fim da ofensiva armada contra a região, o que é negado pela ONU.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório