Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 19º MÁX 31º

É oficial. União Europeia e Reino Unido fecham acordo para pós-Brexit

Britânicos e a União Europeia chegaram a um entendimento para o pós-Brexit.

É oficial. União Europeia e Reino Unido fecham acordo para pós-Brexit
Notícias ao Minuto

14:53 - 24/12/20 por Sara Gouveia com Lusa

Mundo Brexit

Há mesmo mais um presente no sapatinho, o longo e aguardado acordo entre o Reino Unido e a União Europeia foi alcançado, poucos dias antes do prazo definido. A cerca de uma semana do final do "período de transição" para a consumação do Brexit, e após 10 meses de negociações que por diversas vezes pareceram definitivamente condenadas ao fracasso, agora os britânicos e a União Europeia chegaram a um entendimento comercial para o pós-Brexit.

UE - "Está na altura de virar a página"

Em declarações logo após o anúncio, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen confirma: "Chegámos finalmente a um acordo". "Foi uma estrada longa e sinuosa", mas "temos um bom acordo", disse, descrevendo-o como "justo e equilibrado". Von der Leyen garantiu ainda que a UE vai continuar a cooperar com o Reino Unido em "todas as áreas de interesse mútuo".

"Está na altura de virar a página e olhar para o futuro", garantiu, confessando sentir "tranquilidade, satisfação e alívio". "O que chamamos início é normalmente um fim e para fazer um fim é fazer um início. É altura de deixar o Brexit para trás, o nosso futuro é feito na Europa", rematou.

Reino Unido - "Recuperámos o controlo"

Em conferência de imprensa, esta tarde, Boris Johnson congratulou-se pelo acordo pós-Brexit e garantiu que vai "proteger empregos em todo o país". "Recuperámos o controlo das nossas leis e do nosso destino", disse, acrescentando que o Reino Unido vai agora ser um país “dinâmico e próspero", o que "não é uma coisa má" para a UE.

Anteriormente já tinha recorrido ao Twitter para dar conta da sua satisfação com o acordo alcançado. "O acordo está feito", escreve.

As reações por cá

O primeiro-ministro português, António Costa, recorreu ao Twitter para "saudar vivamente" o acordo alcançado e recordar que “o Reino Unido continuará a ser, além de nosso vizinho e aliado, um parceiro importante".

Por seu lado, Marcelo Rebelo Sousa também felicitou o "histórico acordo". “O Presidente da República felicita a Comissão Europeia e o Governo Britânico pelo histórico acordo hoje concluído para regular as futuras relações entre a União Europeia e o nosso mais antigo aliado, o Reino Unido”, escreveu Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota publicada no site da Presidência da República.

Já o ministro dos Negócios Estrangeiros considerou que o acordo comercial pós-Brexit alcançado entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido "significa muito para Portugal". Para Augusto Santos Silva, "é uma boa notícia" para quem vive e trabalha "em países amigos".

Apesar de o Parlamento Europeu já não ter tempo de ratificar um acordo comercial nos poucos dias que restam até ao final do ano, os Estados-membros da UE podem aprovar a entrada em vigor com cariz provisório de um acordo comercial com Londres em 1 de janeiro de 2021. Os negociadores da UE e do Reino Unido trabalharam durante a noite e até à véspera de Natal para dar os retoques finais num acordo comercial destinado a evitar uma rotura caótica entre os dois lados no dia de Ano Novo.

Depois de resolver questões pendentes sobre concorrência justa e quase todas as divergências sobre pescas na quarta-feira, os negociadores vasculharam centenas de páginas de textos jurídicos vão definir o relacionamento pós-Brexit entre britânicos e os 27.

Como durante grande parte das negociações ao longo de nove meses, a questão das frotas pesqueiras da UE em águas britânicas provou ser a mais complicada, forçando os negociadores a discutir quotas para algumas espécies até ao amanhecer.

Mesmo com um acordo, a partir de 1 de janeiro vão passar a ser feitos controlos alfandegários e exigida burocracia adicional porque o Reino Unido passa a ser um país terceiro e deixa de ser membro do mercado único do bloco e da união aduaneira.Um acordo comercial apenas evita a imposição de taxas aduaneiras que poderiam custar aos dois lados muitos milhões em comércio e centenas de milhares de empregos e passarem a aplicar as condições da Organização Mundial do Comércio.

O próprio governo britânico reconheceu que uma ausência de acordo resultaria em atrasos na circulação de mercadorias nos portos para a UE, escassez temporária de alguns produtos e aumento de preços de alimentos básicos, além de tarifas de 10% sobre exportações de automóveis e 40% na carne de borrego.

O texto do acordo, que terá mais de 2.000 páginas, terá agora de ser aprovado pelo parlamento britânico, num processo encurtado e acelerado entre o Natal e o Ano Novo.

[Notícia atualizada às 15h48]

Leia Também: Brexit de Natal? Acordo poderá ser anunciado ainda hoje

Recomendados para si

;
Campo obrigatório