Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Comunicações parcialmente restabelecidas em Tigray mas ONU reclama acesso

As comunicações foram hoje parcialmente restabelecidas em Tigray, após quatro semanas de conflito armado, mas a ONU apela agora ao "acesso urgente" a esta região do norte da Etiópia que está "desesperadamente necessitada" de ajuda humanitária.

Comunicações parcialmente restabelecidas em Tigray mas ONU reclama acesso
Notícias ao Minuto

20:59 - 01/12/20 por Lusa

Mundo Etiópia

Tigray esteve privado de abastecimentos desde 04 de novembro, quando o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, enviou o exército federal para atacar as forças da Frente Popular de Libertação do Tigray (TPLF), o partido que governou a região e desafiou a sua autoridade.

Abiy Ahmed reivindicou a vitória no sábado, depois de as tropas governamentais terem anunciado a tomada da capital regional, Mekele.

O presidente de Tigray, Debretsion Gebremichael, que prometeu continuar a luta contra "os invasores", disse que os confrontos continuavam hoje "perto de Mekele" e perto da cidade de Wukro, 50 quilómetros a norte.

Antes do conflito, cerca de 600.000 pessoas dependiam totalmente da ajuda alimentar e mais de um milhão de pessoas beneficiavam de uma "rede de segurança" alimentar, de acordo com o Gabinete de Coordenação Humanitária das Nações Unidas (Ocha).

Quatro semanas de luta forçaram cerca de 45.500 pessoas a fugir para o vizinho Sudão e deslocaram um número desconhecido de homens, mulheres e crianças dentro de Tigray.

"Estas populações deslocadas necessitam desesperadamente de assistência humanitária" e "o acesso às áreas afetadas é essencial para compreender quantas pessoas foram forçadas a fugir e onde se encontram", disse hoje a Organização Internacional para as Migrações (OIM) da ONU.

Para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), "a preocupação cresce a cada hora" em relação aos quatro campos que durante anos abrigaram cerca de 96.000 refugiados eritreus em Tigray.

"Os campos devem agora ter falta de alimentos, o que torna a ameaça da fome e da desnutrição mais real", disse em Genebra o porta-voz do ACNUR, Babar Baloch, recordando que a organização tinha vindo a alertar para este perigo desde o início do conflito em Tigray.

O ACNUR "apela ao Governo etíope para (...) permitir o acesso dos trabalhadores humanitários aos que se encontram agora desesperadamente necessitados", acrescentou.

A rede de telemóveis e internet, que tinha sido cortada desde 04 de novembro, foi restabelecida em várias localidades de Tigray ocidental sob o controlo do exército federal durante quase três semanas.

"Isto resolve muitos problemas, mas o problema permanece em muitas áreas (...) e ainda não temos eletricidade", disse à agência AFP Tewodros Gebreselassie, um residente em Humera, no noroeste de Tigray, na fronteira do Sudão e da Eritreia.

Um porta-voz da Ethio Telecom, o único operador na Etiópia, disse que não podia dar qualquer informação sobre os seus serviços em Tigray.

O Governo etíope também anunciou hoje a rendição de um alto funcionário da TPLF, Keria Ibrahim.

A presidente da Câmara Alta do Parlamento Federal tinha-se demitido após os parlamentares terem votado a favor do adiamento de todas as eleições na Etiópia devido ao surto do novo coronavírus.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório