Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Israel liberta prisioneiro palestiniano após greve de fome de 103 dias

Israel libertou hoje um palestiniano que fez uma greve de fome de 103 dias para protestar contra a sua detenção considerada arbitrária, anunciou o Clube dos Prisioneiros Palestinianos (CPP).

Israel liberta prisioneiro palestiniano após greve de fome de 103 dias
Notícias ao Minuto

11:21 - 26/11/20 por Lusa

Mundo Israel

Maher al-Akhras, 49 anos, foi transferido do hospital israelita Kaplan, perto de Telavive, para o hospital universitário Al-Najah da cidade de Nablus, no norte da Cisjordânia ocupada, indicou o CPP num comunicado.

A decisão sobre o regresso a casa será tomada após uma "avaliação médica do seu estado", disse o diretor médico do hospital Al-Najah, Abdul-Karim Al-Barqawi.

Detido no final de julho pelas forças israelitas na sua casa no norte da Cisjordânia, Maher al-Akhras decidiu a 6 de novembro terminar uma greve de fome de 103 dias, após um "acordo" com as autoridades israelitas para a sua libertação.

É suspeito por Israel de ser um membro da Jihad Islâmica, grupo armado palestiniano considerado terrorista pelo Estado hebreu, Estados Unidos e União Europeia.

Logo após ter sido preso, foi colocado em detenção administrativa, disposição que permite a Israel deter palestinianos sem acusação ou julgamento por períodos renováveis de até seis meses.

Com a deterioração do seu estado de saúde, devido à greve de fome, foi hospitalizado no início de setembro.

O caso de Maher al-Akhras, agricultor e pai de seis crianças, provocou críticas da ONU e de algumas organizações não-governamentais e emoção nos territórios palestinianos e entre os árabes israelitas.

Considerada uma violação dos direitos fundamentais pelos seus detratores, a detenção administrativa permite afastar indivíduos presumivelmente perigosos, segundo os seus defensores, que argumentam ser impossível, por razões de segurança, tornar públicas certas provas contra eles.

De acordo com a ONG israelita de defesa dos direitos humanos B'Tselem, cerca de 355 palestinianos, incluindo dois menores, encontravam-se em detenção administrativa no final de agosto.

Leia Também: Primeiro voo comercial direto do Dubal para Israel

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório