Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Suécia pede ao Irão que cancele execução de cientista iraniano-sueco

A ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Ann Linde, anunciou hoje que pediu, numa conversa com o homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif, a anulação da execução do médico iraniano-sueco Ahmadreza Djalali, condenado à morte por espionagem.

Suécia pede ao Irão que cancele execução de cientista iraniano-sueco

Na rede social Twitter, Linde disse ter ligado para o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano depois de relatos de que o Irão se estava a preparar para executar o especialista em medicina de emergência Ahmadreza Djalali.

"A Suécia denuncia a pena de morte e trabalhar para garantir que a sentença contra Djalali não seja aplicada", acrescentou.

Djalali, que trabalhava no Instituto Karolinska, uma faculdade de medicina em Estocolmo, foi preso durante uma visita ao Irão em abril de 2016.

O cientista foi considerado culpado de transmitir à Mossad, os serviços de inteligência israelita, informações sobre dois especialistas nucleares iranianos que levaram ao seu assassínio.

Enquanto estava detido, a Suécia concedeu-lhe cidadania em fevereiro de 2018, poucos meses depois de o Supremo Tribunal iraniano manter a sentença de morte.

Djalali alegou que foi condenado por se recusar a espiar em nome do Irão enquanto trabalhava na Europa.

A sentença de morte de Djalali foi denunciada por organizações de direitos humanos, incluindo a Amnistia Internacional e especialistas de direitos humanos das Nações Unidas.

A mulher do médico declarou hoje à agência de notícias TT que o seu marido a informara que estava a ser transferido para outra prisão, onde seria colocado em isolamento, o que significa que a sua execução é iminente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório