Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Após meses isolado, grupo enfrenta pandemia pela 1ª vez. "O apocalipse"

Equipa de resgate ambiental estava desde fevereiro na ilha Kure, no arquipélago do Havai. Após o regresso, todos relatam uma realidade desconhecida, que mais parece saída de um filme de ficção científica.

Após meses isolado, grupo enfrenta pandemia pela 1ª vez. "O apocalipse"

A Covid-19 ainda estava a dar os 'primeiros passos' pelo mundo, quando, algures em fevereiro, dois voluntários e dois biólogos viajaram até um dos lugares mais remotos da Terra, a ilha Kure, no Havai, e permaneceram aí, isolados, cerca de oito meses, a restaurar o ecossistema deste atol (ilha oceânica em forma de anel, cuja estrutura constituída por corais esconde uma lagoa).

Conta a Associated Press (AP), que quando regressaram à 'realidade', depois de todo este tempo todo afastados dos amigos e família e isolados do resto do mundo, sem televisão e com ligação à internet fraca e ocasional, todos sentiram que estavam a assistir a um filme de ficção científica.

Tiveram de aprender a utilizar máscaras, a ficar em casa e a ver os amigos e família sem dar abraços ou apertos de mão, assim como inteirar-se de todas as medidas impostas pelos governos de todo o mundo, para parar a progação da Covid-19.

De regresso à 'civilização', um dos voluntários, Matthew Butscheck, admitiu que não foi nada fácil lidar com o que estava a acontecer no mundo. O jovem norte-americano de 26 anos recorda-se de olhar pelas janelas do alojamento, onde cumpriu quarentena, e ver crianças a brincar nas rochas e a subir a árvores de máscara, algo que considera inacreditável.

"Olhava pelas janelas e via as crianças a brincar de máscara, como nos filmes sobre o apocalipse. Isso não é normal para mim. Mas toda a gente dizia-me: ‘Agora vivemos assim’", contou à AP.

Além de Butscheck, também Naomi, de 43 anos, e o marido, Matthew Saunter, de 35, estiveram durante todo este tempo em Kure. Aliás, esta já é a 10ª. vez que a bióloga participa neste projeto havaiano, de caráter bianual, que pretende limpar a ilha de plantas invasoras, lixo, plástico e redes de pesca.

Contudo, este regresso à realidade foi diferente para a norte-americana. "Com tanta incerteza e tantas emoções a acontecer ao mesmo tempo… E, sabe, o nosso país está dividido por tantas coisas … Há um medo subjacente em relação ao que o futuro pode esconder e à forma como as pessoas podem responder”, explica Naomi, que receia pela saúde e segurança dos amigos e família.

Já o companheiro recordou à AP o momento em que se apercebeu da gravidade do surto de Covid-19. "Um dia recebi um e-mail da minha irmã e ela usou a palavra 'pandemia'", disse, acrescentando que, na altura, pensou que precisava pesquisar mais sobre a palavra, porque não sabia a diferença entre pandemia, surto e epidemia.

No entanto, o também biólogo, acha que já não é necessário fazê-lo. "É uma palavra que já faz parte do vocabulário de todos nós".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório