Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Confrontos na Costa do Marfim já fizeram 85 mortos desde agosto

Pelo menos 85 pessoas morreram na Costa do Marfim desde agosto em confrontos ligados às eleições presidenciais, anunciou hoje o Governo, no mesmo dia da primeira reunião do Presidente com o líder da oposição, Henri Konan Bédié.

Confrontos na Costa do Marfim já fizeram 85 mortos desde agosto

"As manifestações organizadas à margem de todas as regras por alguns partidos da oposição começaram no dia 10 de agosto em algumas localidades do país e causaram importantes danos humanos e materiais", disse hoje o porta-voz do Governo, Sidi Tiemoko Touré.

"O balanço que fazemos com pesar é de 85 mortos, 34 antes das eleições, 20 durante e 31 depois", acrescentou Touré, sinalizando que também houve 484 pessoas que ficaram feridas, incluindo membros das forças de segurança e de defesa.

As tensões políticas que surgiram depois de o Presidente reeleito, Alassane Ouattara, ter anunciado a candidatura levaram também mais de oito mil pessoas a fugirem para a vizinha Libéria, mais do que duplicando o número de 3.200 que as Nações Unidas anunciaram há uma semana.

Os confrontos intensificaram-se a partir de meados de setembro, um mês e meio antes das eleições presidenciais de 31 de outubro, quando a oposição convocou manifestações de protesto, uma iniciativa que o porta-voz do Governo disse ter como objetivo "paralisar o país e que se caracterizam por violentos confrontos entre comunidades, munidas de pistolas, catanas e armas de fogo".

As declarações do porta-voz surgem no mesmo dia em que o Presidente reeleito se reuniu com o principal líder da oposição e antigo chefe de Estado, Henri Konan Bédié, num hotel em Abidjan para iniciar conversações que poderão levar ao fim da violência.

"Foi uma primeira reunião para quebrar o gelo e restaurar a confiança", disse Ouattara, no final do encontro, citado pela agência France-Presse.

"Conseguimos quebrar o muro de gelo e o muro de silêncio", acrescentou, por seu turno, Bédié, com ambos os responsáveis a prometerem mais encontros no futuro.

Na segunda-feira, o Conselho Constitucional da Costa do Marfim validou os resultados eleitorais de 31 de outubro, que deram a vitória ao chefe de Estado cessante, Alassane Ouattara, de 78 anos.

Ouattara foi reeleito à primeira volta para um terceiro mandato, considerado inconstitucional pela oposição, com 94,27% dos votos, numa eleição em que participaram cerca de 53% dos eleitores, boicotada pela oposição e marcada pela violência, de que resultaram já mais de 50 mortes.

A situação política e de segurança na Costa do Marfim continua tensa depois de a oposição ter afirmando não reconhecer os resultados das eleições e anunciado a criação de um Conselho de Transição, o que levou à detenção de vários opositores.

Os receios de uma escalada da violência permanecem no país, 10 anos após a crise pós-eleitoral de 2010-2011 que deixou 3.000 mortos, 300.000 refugiados e um milhão de pessoas deslocadas internamente, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório