Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

França propõe-se a ajudar Turquia e Grécia após sismo

A França propôs-se hoje prestar assistência a Atenas e Ancara após o forte sismo que assolou o oeste da Turquia, enquanto o Presidente russo, Vladimir Putin, endereçou condolências ao homólogo turco, Recep Erdogan, pelas vítimas do terramoto.

França propõe-se a ajudar Turquia e Grécia após sismo
Notícias ao Minuto

19:13 - 30/10/20 por Lusa

Mundo Sismo

Na rede social Twitter, o secretário de Estado para os Assuntos Europeus francês, Clément Beaune, manifestou "plena solidariedade" aos dois países afetados pelo abalo, que atingiu 7,0 na escala de Richter, e disponibilizou a "ajuda que for necessária" da França para ajudar a Grécia e a Turquia.

"Já falei com o Governo grego para disponibilizar esse apoio, acrescentou Beaune, numa declaração que surge em plena crise entre Paris e Ancara sobre questões religiosas, diplomáticas e políticas e em que nada adiantou sobre uma eventual conversa com responsáveis turcos.

Na passada segunda-feira, Erdogan apelou à população turca a boicotar os produtos franceses à venda no país, dias depois de o Governo francês ter mandado regressar o seu embaixador em Ancara, após o chefe de Estado da Turquia quer posto em causa a "saúde mental" do seu homólogo de França, Emmanuel Macron.

Por outro lado, a Turquia lamentou que Macron tenha defendido a liberdade de caricaturar numa homenagem a Samuel Paty, um professor francês que foi decapitado a 16 deste mês por um russo-checheno radicalizado depois de o docente ter mostrado caricaturas do profeta Maomé num curso sobre liberdade de expressão.

Em Moscovo, e citado pelos serviços de imprensa do Kremlin, Putin expressou hoje condolências a Erdogan pelas vítimas do sismo que atingiu particularmente a cidade de Esmirna (inicialmente deu-se conta de pelo menos seis mortes e 250 feridos), que também sofreu importantes danos materiais.

"Receba as minhas condolências pela perda de vidas humanas e pelos graves danos provocados pelo potente terramoto na província de Izmir", lê-se na mensagem, em que Putin pede também a Erdogan que transmita as mesmas palavras ao povo turco e, em particular, aos familiares das vítimas.

Para já, do lado turco, há o registo de 14 mortes e mais de 400 feridos, mas aguarda-se que o número de vítimas seja superior, com os serviços de socorro a procurarem eventuais vítimas entre os escombros de pelo menos 17 edifícios mais afetados.

O tremor de terra, com epicentro no mar Egeu, abalou hoje o oeste da Turquia, provocando a destruição de dezenas de edifícios em vários bairros da cidade de Esmirna, a terceira maior da Turquia.

O sismo, que foi sentido em Istambul e Atenas e causou um pequeno 'tsunami', ocorreu pouco antes das 12:00 GMT no Mar Egeu, a sudoeste de Izmir e perto da ilha grega de Samos.

A magnitude do sismo foi avaliada em 7 na escala de Richter pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos e em 6,8 pelo centro sismológico turco Kandilli.

Na Turquia, de acordo com a agência governamental de Gestão de Emergências e Desastres (AFAD), 12 pessoas morreram, incluindo uma por afogamento, e 419 ficaram feridas.

Na Grécia, dois adolescentes morreram na ilha de Samos devido ao desabamento de um muro, segundo a televisão estatal Ert e quatro pessoas ficaram feridas.

O sismo desencadeou um pequeno 'tsunami' que inundou as ruas de Seferihisar, uma cidade turca próxima do epicentro, e varreu a costa de Samos.

Porém, é a costa turca do mar Egeu, densamente povoada, que foi mais atingida, com as equipas de resgate numa corrida contra o tempo para tentar encontrar sobreviventes nos escombros.

De acordo com as equipas de resgate turcas, as buscas por sobreviventes continuarão em 17 edifícios desabados ou severamente danificados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório