Meteorologia

  • 03 JULHO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 30º

Segunda ronda negocial entre Líbano e Israel "produtiva"

O Líbano e Israel, dois vizinhos ainda oficialmente em guerra, terminaram a segunda ronda negocial, sob a égide da ONU e dos Estados Unidos, com Washington a considerar hoje "produtivas" as discussões para delimitar a fronteira marítima comum.

Segunda ronda negocial entre Líbano e Israel "produtiva"

Num comunicado conjunto, os Estados Unidos e o enviado especial da ONU para o Líbano indicaram ter a esperança de que as negociações possam chegar a uma resolução "há muito aguardada", uma vez que as duas partes decidiram prosseguir o diálogo em novembro, em princípio, dia 11, tal como indicou fonte oficial libanesa.

Além da delimitação da fronteira marítima, está também em causa o levantamento dos obstáculos à prospeção de hidrocarbonetos.

A reunião entre os dois países demorou cerca de quatro horas e decorreu numa base da FINUL, a força das Nações Unidas destacada para vigiar a fronteira marítima entre Israel e o Líbano, na cidade de Naqoura, indicaram, por sua vez, a Agência Nacional de Imprensa libanesa e o Ministério da Energia israelita.

As negociações - a primeira ronda decorreu a 14 deste mês - têm sido conduzidas desde o seu início em total sigilo, com muito pouca informação emergente sobre os progressos realizados.

Após vários anos de esforços norte-americanos nos bastidores, o Líbano e Israel anunciaram a 01 deste mês o lançamento das negociações, descritas por Washington como "históricas".

O anúncio foi feito poucas semanas após a normalização das relações entre Israel e dois países do Golfo - Emirados Árabes Unidos e Bahrein.

No entanto, o Líbano insiste no caráter técnico e não político das discussões.

O contencioso marítimo entre os dois vizinhos diz respeito a uma área de 860 quilómetros quadrados.

A questão dos hidrocarbonetos é particularmente estratégica para um Líbano economicamente frágil e que depende da prospeção petrolífera para conter um colapso total.

Em 2018, o Líbano assinou um primeiro contrato de exploração petrolífera em dois blocos (04 e 09) com um consórcio liderado pelo grupo francês Total e que inclui também a ENI (italiana) e a Novotek (russa).

Além disso, a FINUL está a liderar a mediação para discussões separadas sobre a disputa de fronteira terrestre. 

Terça-feira, o general Stefano Del Col, comandante da FINUL, destacou tratar-se de uma "oportunidade única para se progredir significativamente nos contenciosos" relacionadas com a fronteira terrestre.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório