Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

Moçambique: Obras de gás levaram 174 toneladas de comida para a população

A logística que serve as obras do complexo industrial de gás natural da Total no norte de Moçambique já transportou 174 toneladas de comida para o distrito de Palma, cujas ligações por terra têm sido cortadas por terroristas e ciclones.

Moçambique: Obras de gás levaram 174 toneladas de comida para a população
Notícias ao Minuto

14:29 - 28/10/20 por Lusa

Mundo Total

"Entre janeiro e outubro já transportámos mais de 1,5 milhões de litros de combustível, 174 toneladas de comida, 104 toneladas de material educativo e 4,2 toneladas de suprimentos médicos para o norte de Cabo Delgado", disse hoje Ronan Bescond, diretor-geral da Total em Moçambique.

Aquele responsável falava durante a Cimeira de Gás Natural de Moçambique, que decorre hoje e quinta-feira através da Internet.

Bescond descreveu a logística em curso, nomeadamente o que era suposto ser primordialmente uma via marítima provisória para as obras - após dragagens e criação de uma zona de acostagem junto à península de Afungi, onde nasce o empreendimento.

Mas a via aberta acabou por ser também "uma ligação vital para o distrito de Palma", onde o projeto está implantado.

Desastres naturais destruíram em 2019 as pontes da única estrada asfaltada que ligava aquela zona ao resto do país, restando caminhos precários e, mesmo esses passaram a ser alvo de rebeldes armados que atacam a região há três anos, com maior intensidade desde janeiro.

"Embora estejamos orgulhosos de dar este apoio, não é uma solução viável e de longo prazo para um distrito que devia ter à vista um crescimento enorme", graças ao empreendimento liderado pela Total - o maior investimento privado em África, avaliado entre 20 e 25 mil milhões de euros.

"Infraestruturas de segurança e resiliência são fundamentais para o projeto e para a atividade económica", referiu. 

"Um ambiente seguro e uma rede de estradas robusta são pré-condições para o projeto [da Área 1] cumprir a promessa de catalisar o crescimento e desenvolvimento do distrito de Palma e do país", acrescentou Bescond.

A 24 de agosto, a Total anunciou uma revisão do memorando de entendimento com o Governo moçambicano para a operacionalização de uma força conjunta para proteção do projeto.

Em esclarecimentos à Lusa, a petrolífera francesa referiu que "a revisão do memorando de segurança reflete o aumento das atividades na fase de construção e a mobilização de uma maior força de trabalho".

A construção do projeto da Área 1 deverá estar terminada até 2024, ano para o qual está previsto o início de produção.

Moçambique enfrenta uma crise humanitária na província de Cabo Delgado onde uma insurgência armada que dura há três anos já provocou entre 1.000 e 2.000 mortos e 435.000 deslocados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório