Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 15º

Edição

Ladrões roubaram meia tonelada de uvas de vinha na véspera da colheita

A quantidade uvas roubadas é suficiente para produzir 325 garrafas de vinho, avaliadas em 3.200 euros.

Ladrões roubaram meia tonelada de uvas de vinha na véspera da colheita

O dia da colheita na vinha Vignoble Coteau Rougemont, no Canadá, na passada quinta-feira não correu da forma esperada pelo proprietário da vinha e pelos seus trabalhadores. Quando se preparavam para iniciar a colheita, o culminar de um trabalho de seis meses, repararam que tinham sido roubadas muitas uvas. Mais precisamente meia tonelada, adianta a CNN.

O roubo foi cometido na noite anterior. Michel Robert, o proprietário da vinha, acredita que os ladrões terão usado um veículo todo-o-terreno, um atrelado e sacos do lixo para recolherem as uvas.

“As pessoas ficaram surpresas, chocadas, frustradas, zangadas (…) Trabalhamos para isto durante seis meses. Cuidamos das vinhas, podamos, fazemos todo o tipo de tratamentos para podermos colher as uvas. E seis meses depois estamos preparados para apanhá-las e desapareceram”, lamentou.

As uvas eram da casta Vidal e a meia tonelada roubada permitiria produzir 325 garrafas de vinho. No total, estas garrafas de vinho poderiam ser vendidas por cinco mil dólares canadianos (3.200 euros).

Michel Robert apresentou queixa na polícia, mas referiu à CNN que duvida que as uvas tenham sido roubadas por outro produtor de vinho. Mas tem as suas suspeitas. “Foi provavelmente alguém que quer fazer vinho na sua garagem ou cave. Diria que foi um produtor de vinho amador que decidiu testar as suas capacidades com as nossas uvas”, disse.

A polícia do Quebec está a investigar o caso, mas informou que ainda não tem suspeitos ou qualquer pista sobre quem terá cometido o crime.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório