Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

Leopoldo López deixou Embaixada de Espanha e partiu para a Colômbia

O político opositor venezuelano, Leopoldo López, deixou a Embaixada de Espanha em Caracas, onde estava refugiado desde 30 de abril de 2019, encontrando-se a caminho de Bogotá, na vizinha Colômbia, disseram hoje fontes diplomáticas à agência Lusa.

Leopoldo López deixou Embaixada de Espanha e partiu para a Colômbia

"Ele deixou a embaixada [de Espanha] há uns dias e já está do outro lado [da fronteira]", explicou uma das fontes, que pediu anonimato.

Outra fonte diplomática disse à Lusa que "nos próximos dias vai haver desenvolvimentos" em relação à saída do político opositor e que, entretanto, o "Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional [Sebin, serviços de informação] reforçou a presença que mantinha" junto da Embaixada de Espanha em Caracas.

Segundo a imprensa venezuelana, Leopoldo López deverá viajar brevemente para Espanha, onde se encontrará com o pai, Leopoldo López Gil, que desde maio de 2019 é deputado no Parlamento Europeu pelo Partido Popular espanhol.

Político e economista, Leopoldo Eduardo López Mendoza, 49 anos, é coordenador do partido opositor venezuelano Vontade Popular e encontrava-se refugiado na Embaixada de Espanha em Caracas desde 30 de abril de 2019, depois de participar numa frustrada tentativa de golpe de estado contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro.

Nesse dia, antes de se refugiar na Embaixada, Leopoldo López fugiu da sua casa, onde permanecia em prisão domiciliária, e apareceu publicamente em Altamira (leste de Caracas) junto ao líder opositor Juan Guaidó e vários militares, apelando, sem sucesso, à população para sair às ruas a derrubar o Governo venezuelano.

em 18 de fevereiro de 2014, Leopoldo López, entregou-se às autoridades venezuelanas, depois de um tribunal de Caracas ordenar a sua prisão por instigar à violência, por ser uma das pessoas que convocaram uma manifestação que terminou com três mortos e dezenas de feridos seis dias antes.

López foi para uma prisão militar, acusado por instigação pública, associação criminosa, danos à propriedade e incêndio, e acabou condenado em setembro de 2015 a quase 14 anos de prisão, que cumpria em domiciliária.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório