Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Detido narcotraficante na Venezuela procurado por França e Interpol

As autoridades venezuelanas anunciaram na sexta-feira que detiveram o narcotraficante Eustácio Cirilo Córdova, procurado por França e Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), que o apontava como líder do cartel "Los Maureles".

Detido narcotraficante na Venezuela procurado por França e Interpol

A detenção foi anunciada pelo procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, durante uma conferência de imprensa em Caracas, precisando que o alerta vermelho da Interpol estava justificado "por delitos cometidos em França, de maneira reiterada".

O procurador explicou que as autoridades detiveram também a mulher do narcotraficante, Carmen Rosa Gamboa, e que, "ao pior estilo dos carteis de droga colombianos ou mexicanos", ambos "eram extorquidos pela polícia [venezuelana], mas desfrutaram da proteção" de alguns agentes das forças de segurança pública.

As detenções, explicou, tiveram lugar a 16 de outubro, depois de o narcotraficante ter recorrido ao Ministério Público para denunciar que agentes da polícia lhe exigiam dinheiro e inclusive "detinham arbitrariamente os filhos e trabalhadores, para exigir somas de dinheiro em divisas [moeda estrangeira] pela libertação".

"O curioso é que o alerta vermelho data de 2008, pelo que este indivíduo andou pelas cidades do país, certamente cometendo crimes, durante todo este tempo e não foi preso até que teve o 'tupé' [descaramento] de vir ao Ministério Público", explicou o procurador.

As investigações determinaram que os detidos operavam nos Estados venezuelanos de Sucre e Anzoátegui, a leste de Caracas.

Os detidos são acusados de tráfico ilícito de substâncias estupefacientes e psicotrópicas, tráfico ilícito de armas, legitimação de capitais e associação para cometer delito.

Segundo o Ministério Público venezuelano, Eustácio Cirilo Córdova, foi julgado em 1999 por tráfico internacional de drogas, em França, e condenado a dez anos de prisão, tendo sido libertado em 2004.

Em 2005, um tribunal de Paris declarou-o culpado de transportar grandes quantidades de cocaína desde a América do Sul para a França, através das Antilhas Francesas, tendo sido condenado a 20 anos de prisão.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório