Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2020
Tempo
MIN 8º MÁX 16º

Edição

"Nunca recebi um centavo de fontes estrangeiras", disse Biden pressionado

Joe Biden defendeu as ações do filho Hunter Biden na Ucrânia e garantiu que nunca recebeu dinheiro de entidades de fora dos Estados Unidos, ao ser pressionado por Donald Trump no último debate presidencial.

"Nunca recebi um centavo de fontes estrangeiras", disse Biden pressionado

"Nunca recebi um centavo de fontes estrangeiras em qualquer altura da minha vida", afirmou o candidato democrata, em resposta ao Presidente, Donald Trump, sobre alegações que foram noticiadas recentemente.

"Se estas coisas são verdade sobre a Rússia, Ucrânia, China e outros países, então ele é um político corrupto", acusou Donald Trump. O Presidente referia-se às alegações de que o ex-vice Presidente dos Estados Unidos ganhou dinheiro de forma ilícita num esquema com o seu filho Hunter Biden.

"Creio que você tem de esclarecer isto ao povo americano", insistiu Donald Trump, que também acusou Joe Biden de ter recebido 3,5 milhões de dólares (2,97 milhões de euros) da Rússia e referiu o cargo de Hunter Biden na Burisma, uma empresa de energia ucraniana, com possíveis conflitos de interesse.

Joe Biden respondeu que "nada foi antiético" na conduta do filho e lembrou que todas as pessoas que testemunharam perante o Congresso no processo de destituição de Donald Trump disseram que o vice-Presidente fez o seu trabalho em relação à Ucrânia.

Disse também que 54 agentes sos serviços de informação norte-americana assinaram uma declaração sobre a origem das alegações do esquema ilícito com Hunter Biden, que terá sido uma iniciativa de desinformação russa através do advogado de Trump, Rudy Giuliani.

"Agora o portátil [de Hunter] também é a Rússia?", questionou Trump. "Lá vamos nós outra vez com o embuste da Rússia", acrescentou.

Biden contra-atacou dizendo que "a pessoa que se meteu em problemas na Ucrânia foi ele", apontando para Trump. "O meu filho não fez dinheiro com a China. Ele é que fez", continuou.

O candidato apontou para o facto de ter sido noticiado que Trump manteve uma "conta secreta" na China.

Questionado pela moderadora Kristen Welker, Trump justificou a conta bancária com o seu histórico de homem de negócios e voltou a apontar baterias à família Biden, caracterizando-a como "um aspirador" que "limpa dinheiro" em todos os sítios por onde passa.

"Há um motivo pelo qual ele está a falar destes disparates", respondeu Biden. "Ele não quer falar da substância dos assuntos. Isto não é sobre a família dele ou da minha, é sobre a vossa, e a vossa família está a sofrer", afirmou o candidato, dirigindo-se aos eleitores.

Este foi o segundo e último debate entre os candidatos, desta vez moderado pela jornalista da NBC News Kristen Welker. Segundo uma sondagem pós-debate da CNN, Joe Biden foi considerado vencedor pela maioria dos espetadores inquiridos, 53%, contra 39% que consideraram que Trump esteve melhor.

Depois de um primeiro embate muito conflituoso a 29 de setembro, a Comissão de Debates Presidenciais modificou as regras para cortar o microfone ao adversário quando um dos candidatos respondia às questões.

Apesar de algumas trocas na contra-argumentação, o debate desta madrugada teve poucas interrupções e foi considerado pelos comentadores como mais aproximado dos debates políticos tradicionais nos Estados Unidos.

Outros temas em destaque foram a covid-19, a economia, tensões raciais e imigração.

Joe Biden chegou ao palco da Universidade Belmont em Nashville, Tennessee, onde decorreu o debate, com uma vantagem de cerca de 10 pontos na média das sondagens nacionais, segundo a plataforma FiveThirtyEight. O democrata tem 52,1% das intenções de voto contra 42,2% para Donald Trump. A eleição é a 03 de novembro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório