Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 6º MÁX 15º

Edição

Governo de Trump aplica deportações rápidas sem audiências judiciais

O governo do presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou na quarta-feira que implementou uma política para deportar de maneira "acelerada" imigrantes indocumentados que não possam demonstrar que estão há pelo menos dois anos nos EUA.

Governo de Trump aplica deportações rápidas sem audiências judiciais
Notícias ao Minuto

06:34 - 22/10/20 por Lusa

Mundo Trump

A informação foi avançada pela Serviço de Imigração e Alfândega norte-americano (ICE, na sigla inglesa), órgão responsável pelas deportações, num comunicado em que avançou que desde quarta-feira pode "acelerar" a expulsão de certos imigrantes sem documentos e com antecedentes criminais graças a uma ordem judicial emitida recentemente pelo Tribunal de Recurso do distrito de Columbia.

"A nossa capacidade para implementar esta importante ferramenta estatutária permitir proteger ainda mais as nossas comunidades e preservar a integridade das leis de imigração exigidas pelo Congresso da nossa nação", apontou Tony Pham, diretor em funções do ICE.

Antes de ser posta em marcha esta nova diretriz, as autoridades só podiam utilizar a "deportação acelerada" com imigrantes detidos num raio de 100 milhas da fronteira que não pudessem demonstrar que entraram legalmente no país e que não tivessem estado pelo menos duas semanas nos Estados Unidos.

A medida visa estrangeiros que estejam nos Estados Unidos "sem terem sido admitidos ou em liberdade condicional após a inspeção de uma agente de imigração num porto de entrada" - processo que se aplica para os pedidos de asilo - e àqueles que não chegaram por mar, os quais não estiveram fisicamente no país nos dois anos anteriores à sua decisão de inadmissibilidade.

Além disso, afetará também a quem tenha estado no país continuamente durante pelo menos 14 dias, mas menos de dois anos.

A nova regra não afeta os estrangeiros que chegam aos portos de entrada - maioritariamente em busca de asilo - que, segundo o documento, "já estão sujeitos a uma deportação acelerada".

Segundo a diretriz, os estrangeiros que sejam colocados em processo de deportação "acelerada" e que manifestem a sua intenção de solicitar asilo ao expressar medo em ser perseguidos, torturados ou de regressar ao seu país "serão entrevistados por um oficial de asilo" que determinará se existe "medo credível".

Os imigrantes que estejam sujeitos a uma possível deportação "expedita" podem demonstrar que estão no país há mais de dois anos com documentos com contas bancárias, faturas, recibos, cartas, registos escolares ou pagamento de impostos, entre outros.

A nova medida começa menos de duas semanas antes das eleições presidenciais, em 03 de novembro, na qual Trump disputa o cargo com o candidato democrata, Joe Biden.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório