Meteorologia

  • 24 NOVEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 9º MÁX 18º

Edição

Continente americano tem "restrição parcial" da liberdade de imprensa

O continente americano, incluindo os Estados Unidos, sofre "uma restrição parcial da liberdade de expressão e de imprensa", com a Venezuela a ter a pior classificação, concluiu o chamado Índice Chapultepec, elaborado pela Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP).

Continente americano tem "restrição parcial" da liberdade de imprensa
Notícias ao Minuto

23:46 - 19/10/20 por Lusa

Mundo Liberdade de imprensa

O estudo, o primeiro a cargo da SIP, com sede em Miami, que será apresentado esta semana na sua 76.ª assembleia anual, reflete que a média dos 22 países analisados alcançou 51,42 pontos (em 100), sem que algum deles atingisse a pontuação necessária (81 pontos ou mais) para entrar na faixa de "liberdade de expressão plena".

E se Cuba, Venezuela e Nicarágua estão na faixa "sem liberdade de expressão", em sentido inverso estão Chile, Argentina, Costa Rica, Uruguai, Canadá, Perú, Paraguai e Jamaica, por esta ordem, com "baixa restrição".

O índice, que analisou o período entre 01 de maio de 2019 e 30 de abril último, aponta que o Brasil e a Bolívia sofrem uma "alta restrição".

Por seu turno, Colômbia, México, Honduras, Estados Unidos, República Dominicana, Guatemala, El Salvador e Equador registam uma "parcial restrição".

"Os indicadores para a qualificação são derivados dos princípios que reafirmam o direito à liberdade de expressão como pedra angular de toda a democracia", explicou hoje à Efe o professor León Hernández, investigador da venezuelana Universidade Católica Andrés Bello (UCAB) e coordenador da investigação.

Entre alguns indicadores, acrescentou, constam o acesso a informação pública, a proteção de fontes jornalísticas, a censura prévia, o estabelecimento de medidas administrativas ou tributárias que discriminem os media, e até "a atribuição de frequências de rádio, de televisão e de publicidade para premiar ou sancionar linhas editoriais".

A Venezuela é "o pior qualificado da região" com apenas 3,8 pontos, ou seja, 47,62 pontos abaixo da média e 76,2 pontos menos do que o país com a melhor avaliação, Chile, que com 80 pontos e depois de "importantes conflitos sociais" quase toca na fronteira de plena liberdade de expressão.

Destaque ainda para os 49,6 pontos registados pelos Estados Unidos, paradigma global de liberdade e democracia, que se inserem no grupo de "restrição parcial" à liberdade de imprensa e expressão. O documento destaca que, neste caso, "prevalece a influência desfavorável do ambiente do Executivo" liderada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

"A estratégia comunicacional levada a cabo pelo Presidente Donald Trump tem sido qualificada como intimidatória para os jornalistas e ameaçadora para os media que se opõem" ao governante, assinala o documento, que esclarece que, a longo prazo, os órgãos de comunicação social e jornalistas são protegidos "pelo forte e blindado quadro jurídico do Estado".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório