Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Indígenas acusam líderes do Equador de crimes contra a humanidade

A Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE) apresentou hoje uma denúncia por crimes contra a humanidade visando vários líderes do Equador, incluindo o presidente Lenín Morelo.

Indígenas acusam líderes do Equador de crimes contra a humanidade
Notícias ao Minuto

23:08 - 12/10/20 por Lusa

Mundo Equador

A denúncia feita contra vários líderes do Estado equatoriano tem como base supostas violações de direitos humanos na sequência das manifestações de outubro de 2019, noticia a agência EFE.

Após um ano daqueles protestos, vários representantes de povos e nacionalidades ancestrais do país da América do Sul juntaram-se hoje para um momento simbólico na capital, no parque 'El Arbolito', que foi o epicentro dos tumultos.

Posteriormente dirigiram-se ao Ministério Público equatoriano e apresentaram formalmente a denúncia.

A queixa foi apresentada contra o Estado e figuras de destaque como o Presidente do Equador, Lenín Moreno, a ministra do Governo, María Paula Romo, ou o comandante-geral da polícia, Hernán Carillo.

"Processamos as principais autoridades por crimes contra a humanidade", explicou o advogado Carlos Poveda, durante as declarações à imprensa dos representantes indígenas presentes no parque.

"Houve um ataque à população civil, porque houve execuções extrajudiciais (...) O facto de a força pública ser usada para intimidar é uma execução extrajudicial", acrescentou, sem revelar mais argumentos ou apresentar mais provas.

Nas manifestações de outubro de 2019, que eclodiram como protesto social pela eliminação dos subsídios à gasolina, posteriormente revogados para pacificar o país, 12 pessoas morreram e cerca de 1.500 ficaram feridas, sendo um terço destas agentes de segurança.

Inicialmente convocado pelos sindicatos, como os de transportes, o movimento indígena liderou os protestos, principalmente a partir do terceiro dia, e foi este movimento que negociou o fim dos protestos com o Presidente do Equador, que é agora acusado.

O Governo assegurou repetidamente que não houve violação dos direitos humanos e que apenas foram utilizadas medidas antimotim legítimas e legalmente autorizadas.

Carlos Poveda sublinhou ainda que, durante um ano, a Procuradoria-Geral foi solicitada a pronunciar-se e a investigar as mortes e feridos indígenas e realçou que "passou um ano mas nada aconteceu".

O presidente do CONAIE, Jaime Vargas, garantiu, por seu turno, que se o Estado não investigar e "não der resposta" o movimento irá "para organismos internacionais".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório