Meteorologia

  • 29 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Últimos presidentes regionais da Catalunha pedem mediação internacional

Os três últimos presidentes do governo regional da Catalunha pediram hoje mediação internacional para dialogarem com o Estado, na pessoa do rei, caso o movimento de independência ultrapasse 50% dos votos nas eleições de fevereiro.

Últimos presidentes regionais da Catalunha pedem mediação internacional

Os três ex-presidentes da Catalunha (Generalitat), Quim Torra, Carles Puigdemont e Artur Mas -- todos alvo de processos judiciais pela organização de um referendo secessionista e declaração de independência, em 2017 -- fizeram o anúncio em conferência de imprensa , na Casa da Generalitat, em Perpignan (França), no dia em que o rei Felipe VI e o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, visitam Barcelona.

Torra, Puigdemont e Mas leram um manifesto, em catalão, francês e inglês, no qual denunciam que o facto de terem sido "atingidos pela repressão estatal" evidencia a "gravidade do conflito catalão", que exige "diálogo, negociação e mediação internacional para encontrar uma solução justa e democrática para o livre arbítrio dos catalães".

Torra indicou que tanto o seu caso, inabilitado por um ano e meio do cargo por desobediência à junta eleitoral, como o de Puigdemont, que fugiu para o estrangeiro e foi processado à revelia, e o de Mas, condenado por desobediência por ter convocado o referendo sobre a independência em novembro de 2014, são exemplos de que "o diálogo que a Espanha promete termina sempre com uma sentença [judicial]".

Por isso, defendeu, a soberania está "num labirinto" do qual só conseguirá sair com "persistência, determinação e enfrentando os obstáculos".

Carles Puigdemont destacou que a mesa de diálogo entre o Governo e a Generalitat não produziu "resultados" até agora e que só "faz sentido [retomar o diálogo] se for para resolver o conflito político".

"Como é que é possível que digam que querem dialogar, mas o chefe de Estado não inicie um diálogo com os três presidentes que foram protagonistas desse processo?", questionou ainda Artur Mas, considerando que isso, juntamente com outros elementos, mostra que "não é vontade das mais altas instituições do Estado ter um verdadeiro diálogo" sobre o conflito na Catalunha.

Neste contexto, Mas defendeu a necessidade de uma mediação internacional porque "ninguém vai ceder", pelo que o primeiro passo deverá ser dado através das eleições catalãs, em fevereiro próximo.

"Se a maioria - independentista -- se tornar cada vez maior, a mediação internacional ficará cada vez mais próxima" de acontecer, referiu.

Sublinhando que para que haja mediação internacional, esta deve ser solicitada e alvo de insistências, Puigdemont lembrou que todos os conflitos do mundo resolvidos foram alvo de mediação internacional.

Felipe VI e Pedro Sánchez estão em visita a Barcelona para participar numa entrega de prémios organizada pelo Consórcio da Zona Franca de Barcelona, mas a sua presença na cidade já foi contestada por cerca de 800 pessoas, que formaram uma corrente humana e exibiram faixas com frases como "A Catalunha não tem rei".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório