Meteorologia

  • 29 OUTUBRO 2020
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Erevan retira embaixador em Telavive devido a venda de armas a Baku

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Arménia chamou hoje para consultas o seu embaixador em Israel em protesto contra a venda de armas ao Azerbaijão, durante os combates no enclave separatista de Nagorno-Karabakh.

Erevan retira embaixador em Telavive devido a venda de armas a Baku
Notícias ao Minuto

21:16 - 01/10/20 por Lusa

Mundo Telavive

"O fornecimento de armamento supermoderno por parte de Israel ao Azerbaijão é especialmente inadmissível a meio de uma agressão em grande escala deste país contra a Arménia e Artsakh (Nagorno-Karabakh)", afirmou a porta-voz do ministério, Anna Nagdalián, em conferência de imprensa.

Erevan enfatiza que "em várias ocasiões" expressou o desconforto a esse respeito ao lado israelita por via diplomática.

"Essa posição é inaceitável para nós e tomamos a decisão de retirar o nosso embaixador para consultas".

As autoridades arménias sempre tiveram uma relação tensa com Israel, que sempre se recusou a reconhecer o genocídio arménia cometido pelo Império Otomano em 1915.

O primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinian, disse hoje que no Karabakh as forças arménias combatem o "terrorismo internacional" representado pelo Azerbaijão e Turquia, que Erevan acusa de participar com unidades, mercenários e armamento nos confrontos.

Os Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, Estados Unidos, Donald Trump, e França, Emmanuel Macron, pediram hoje ao Azerbaijão e à Arménia um cessar-fogo "imediato" na região que é palco de combates desde domingo.

Esses três países são copresidentes do Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que garante o cumprimento do cessar-fogo, em vigor desde 1994.

O líder azeri, Ilham Alíev, assegurou, na quarta-feira, que o atual formato de negociações não tinha dado resultados em 30 anos, que as grandes potências não tinham sido capazes de convencer a Arménia a abandonar os territórios ocupados e que os apelos ao diálogo estavam agora "fora da mesa".

As autoridades de Nagorno-Karabakh, que autoproclamaram a sua independência do Azerbaijão em 1991, opuseram-se também a uma trégua.

Em julho deste ano, os dois países envolveram-se em confrontos a uma escala mais reduzida que provocaram cerca de 20 mortos. Os combates recentes mais significativos remontam abril de 2016, com um balanço de 110 mortos.

A Arménia, país cristão desde o século IV, registou uma história tumultuosa desde a sua independência em 1991.

Na primavera de 2018, uma revolução pacífica levou ao poder o atual primeiro-ministro Nikol Pashinyan, que impôs reformas destinadas a democratizar as instituições e combater a corrupção.

O Azerbaijão, um país com população de maioria muçulmana xiita e junto ao mar Cáspio, permanece desde 1993 sob o controlo de uma única família. Heydar Aliyev, um antigo general do KGB soviético, dirigiu o país com mão de ferro até outubro de 2003, cedendo o poder ao seu filho Ilham algumas semanas antes de morrer.

À semelhança de seu pai, Ilham Aliyev não permitiu o surgimento de qualquer oposição. Em 2017, designou a sua mulher Mehriban para vice-Presidente do país, a primeira mulher a assumir este cargo no país do Cáucaso do sul.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório