Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2020
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

OIM anuncia investigação a alegados abusos sexuais na RDCongo

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) anunciou hoje que vai abrir uma investigação às acusações de abuso sexual no contexto da resposta à epidemia de Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo).

OIM anuncia investigação a alegados abusos sexuais na RDCongo
Notícias ao Minuto

20:18 - 30/09/20 por Lusa

Mundo Ébola

A OIM disse estar "extremamente preocupada" e acrescentou que iria investigar imediatamente um dos seus funcionários contra o qual tinham sido feitas "acusações graves".

Também a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou na terça-feira que vai investigar as alegações de exploração e agressões sexuais.

Os dois anúncios surgem pouco depois da publicação, na terça-feira, de uma investigação feita pela agência noticiosa humanitária The New Humanitarian (TNH) e pela Fundação Thomson Reuters.

A investigação, que durou meses, encontrou mais de 50 mulheres que acusam funcionários da OMS e de organizações não-governamentais envolvidas na luta contra o Ébola de exploração sexual entre 2018 e 2020.

As acusações incluem a oferta de sexo em troca da promessa de um emprego ou a rescisão dos seus contratos quando se recusavam.

De acordo com a investigação, as semelhanças nas histórias de várias mulheres sugerem que a prática era generalizada.

"Estes abusos cometidos por funcionários da ONU e outros trabalhadores humanitários são um insuportável ataque à confiança naqueles que são mandatados para proporcionar conforto, muitas vezes em condições humanitárias muito difíceis", frisou a OIM, num comunicado.

A agência das Nações Unidas para as migrações afirmou estar "determinada a investigar e erradicar estes abusos chocantes onde e quando eles ocorrerem".

A organização também se compromete a melhorar a forma como as vítimas podem denunciar estes abusos, reconhecendo que, por vezes, "hesitam em confidenciar" por medo de represálias.

A República Democrática do Congo está a combater uma nova epidemia de Ébola, a décima primeira a atingir o país, que já provocou 50 mortes desde junho.

A anterior tinha causado 2.287 mortes em 3.470 casos entre agosto de 2018 e junho último.

Para combater a epidemia foram investidos mil milhões de dólares (853 milhões de euros).

O vírus do Ébola é transmitido por contacto direto com o sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infetados, causando hemorragia grave e tem uma taxa de mortalidade de 90%.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório