Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2020
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Mais de 700 migrantes de Lesbos transferidos para a Grécia continental

Mais de 700 migrantes da ilha grega de Lesbos, atualmente alojados num local provisório após os incêndios que atingiram o campo de Moria no início de setembro, serão hoje transferidos para a Grécia continental, indicaram fontes oficiais.

Mais de 700 migrantes de Lesbos transferidos para a Grécia continental

O Ministério para as Migrações grego e a Organização Internacional para as Migrações (OIM), as duas entidades que estão a coordenar a operação, informaram que 704 requerentes de asilo vão deixar hoje a ilha de Lesbos, precisando que estes migrantes pertencem a grupos designados como vulneráveis, nomeadamente mulheres desacompanhadas, grávidas, deficientes e idosos, ou são pessoas que viram os respetivos pedidos de asilo aprovados.

Devido à sua condição, estas pessoas obtiveram o levantamento das medidas de restrição geográfica e podem ser transferidas para o território continental grego, segundo precisaram as mesmas fontes.

Um outro grupo de 700 pessoas será transferido na próxima quinta-feira, de forma a aliviar a pressão sobre a ilha de Lesbos, que acolhe atualmente mais de 14 mil requerentes de asilo.

De acordo com o ministério helénico, o objetivo é transferir um total de 2.500 migrantes e refugiados nos próximos dias.

Num comunicado, o ministro das Migrações grego, Notis Mitarachi, assegurou hoje igualmente que nenhum "migrante menor desacompanhado" se encontra neste momento nos campos de processamento e de acolhimento de refugiados nas ilhas no mar Egeu (próximas da Turquia), também conhecidos como 'hotspots'.

Dez países da União Europeia (UE), incluindo Portugal, comprometeram-se a acolher cerca de 400 migrantes "menores desacompanhados" que foram retirados de Lesbos.

O Governo grego quer descongestionar gradualmente Lesbos, de forma a evitar a sobrelotação do novo campo de acolhimento provisório que foi erguido naquela ilha, logo após os incêndios ocorridos no início de setembro no campo de Moria e que deixaram milhares de refugiados desalojados.

Várias organizações não-governamentais (ONG) têm criticado as condições de vida no campo provisório, denunciando a falta de instalações sanitárias (chuveiros, casas de banho) e uma escassez de alimentos.

Todos os requerentes de asilo alojados no novo campo em Lesbos estão a ser testados ao novo coronavírus e só as pessoas com resultados negativos podem ser transferidas para o território continental grego.

Até à data, mais de 240 requerentes de asilo testaram positivo.

Entretanto, a polícia grega anunciou hoje ter identificado 33 trabalhadores humanitários que alegadamente terão facilitado a imigração ilegal para a ilha de Lesbos.

A polícia helénica indicou que acredita que os suspeitos, que trabalham para quatro ONG, integram uma "rede organizada" que facilitou "sistematicamente" a imigração ilegal para Lesbos.

Uma investigação "preliminar" está em curso, avançou a mesma fonte.

Dois cidadãos estrangeiros, um afegão e um iraniano, também são suspeitos de pertencer à mesma rede, segundo avançou a televisão estatal grega ERT.

"Estamos a cooperar com muitas organizações que nos estão a ajudar a lidar com a crise migratória. Mas nenhuma ação ilegal de ONG será permitida", afirmou o ministro das Migrações grego, numa reação à investigação em curso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório