Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

Irão sublinha "isolamento" de Washington após anúncio de sanções

O Irão alertou hoje para o "isolamento" dos Estados Unidos da América após a proclamação unilateral de retorno das sanções da ONU e a promessa de punir aqueles que as violarem, rejeitada por vários países que participaram no acordo nuclear.

Irão sublinha "isolamento" de Washington após anúncio de sanções
Notícias ao Minuto

16:17 - 20/09/20 por Lusa

Mundo Irão/EUA

"O mundo inteiro diz que nada aconteceu. Apenas aconteceu no mundo imaginário" do secretário de Estado americano Mike Pompeo, reagiu hoje Saeed Khatibzadeh, porta-voz do ministério das Relações Exteriores iraniano, em conferência de Imprensa.

Acreditando que Washington estava "isolado" e "do lado errado da história", Khatibzadeh sugeriu que os Estados Unidos "voltem à comunidade internacional, (respeitem) seus compromissos, parem de se revoltar e o mundo vai aceitá-los".

O desafio dos americanos ao resto do mundo corre o risco de aumentar as tensões internacionais, quando Donald Trump ameaça pôr em prática um sistema de chamadas sanções secundárias para punir qualquer país ou entidade que viole essas sanções.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, França e Reino Unido refutaram hoje a decisão unilateral dos Estados Unidos de restabelecer todas as sanções internacionais contra o Irão, alegando que Washington abandonou o pacto nuclear com Teerão.

Os Estados Unidos "retiraram-se do acordo em 08 de maio de 2018, pelo que já não fazem parte deste mecanismo", afirmaram os três ministros num comunicado conjunto.

"As decisões ou medidas que (os Estados Unidos) possam adotar em relação a este processo não têm qualquer efeito jurídico", disseram os três países.

O comunicado foi emitido depois de o Governo do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter declarado no sábado à noite que todas as sanções internacionais contra o Irão tinham sido restabelecidas e avisado que iria tomar medidas, além de ameaçar os membros da ONU que se lhes opusessem.

"Mantemos o nosso objetivo de manter a autoridade e integridade do conselho de segurança da ONU", dizem os ministros dos três países no comunicado, onde também expressam o empenho no acordo nuclear com o Irão.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo também denunciou hoje a declaração unilateral dos Estados Unidos de que as sanções da ONU contra Teerão estavam de novo em vigor, sublinhando que as reivindicações de Washington não tinham base legal.

"As iniciativas e ações ilegítimas dos Estados Unidos não podem, por definição, ter consequências jurídicas internacionais para outros países", disse o ministério num comunicado.

A Rússia, um aliado chave do Irão, acusou Washington de fazer uma "representação teatral" e salientou que as declarações dos Estados Unidos "não correspondem à realidade".

A decisão dos EUA foi formalizada através de uma declaração do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que recorda que Washington iniciou em agosto um procedimento na ONU para restabelecer todas as sanções internacionais contra o Irão.

Estas sanções foram levantadas devido ao acordo nuclear assinado em 2015, depois de um longo processo de negociação, do qual Washington se retirou em 2018 por considerar que Teerão não estava a cumprir os seus compromissos.

Uma maioria do conselho de segurança, que até agora não tomou qualquer medida sobre o assunto, considera que os Estados Unidos não têm o direito de utilizar este mecanismo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório