Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2020
Tempo
17º
MIN 10º MÁX 19º

Edição

Após 37 anos de prisão, Robert foi declarado inocente de crime hediondo

"Este tribunal errou durante 37 anos. Hoje, finalmente, acertou", disse o juiz, na segunda-feira.

Após 37 anos de prisão, Robert foi declarado inocente de crime hediondo
Notícias ao Minuto

09:03 - 20/09/20 por Notícias Ao Minuto 

Mundo Robert DuBoise

Depois de 37 anos atrás das grades, Robert DuBoise foi formalmente declarado inocente de um homicídio e violação, na passada segunda-feira, num tribunal de Hillsborough, na Florida, tendo sido anuladas as acusações e a sentença de prisão perpétua, e removido o seu nome do registo estadual de agressores sexuais.

A inocência do homem ficou provada graças a vestígios de ADN. Tinha sido condenado num julgamento que assentou, em grande parte, no testemunho de um informador de uma cadeia e num exame a um marca de dentada na vítima - que agora se provou ser negligente.

"Este tribunal errou durante 37 anos. Hoje, finalmente, acertou", disse o juiz Christopher Nash, durante a audiência remota, segundo cita o Guardian.

Robert DuBoise, hoje com 56 anos, foi libertado da prisão a 27 de agosto, conforme se pode ver pela imagem acima, onde surge com e irmã e a mãe.

O homem estava a cumprir prisão perpétua, depois de condenado em 1983 pelo assassínio de Barbara Grams, de 19 anos, que fora raptada, violada e espancada no regresso a casa após ter saído do trabalho um centro comercial em Tampa (Florida).

Em agosto, uma advogada da organização Innocence Project e outra da Unidade de Revisão de Penas do Condado de Hillsborough falaram em tribunal e desmontaram as provas falsas que levaram à prisão de Duboise. Os especialistas forenses provaram que a marca na cara da vítima não era proveniente de uma dentada e que as declarações do informador não eram credíveis.

Teresa Hall, a advogada da Unidade de Revisão de Penas - entidade que se dedica a rever potenciais condenações erradas -, indicou ter revisto mais de 3.500 páginas do processo e que percebeu que muitas das provas físicas tinham sido destruídas.

No entanto, acrescentou que conseguiu ter acesso ao 'kit' de violação no gabinete dos exames médicos e forenses do condado e que processou, depois, o ADN, cujo resultado, uma semana depois, excluiu Duboise.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório