Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2020
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Israel pede a judeus na fronteira com a Ucrânia que voltem a casa

Israel pediu aos peregrinos judeus hassídicos, que esperavam participar num evento na Ucrânia e ficaram retidos na fronteira deste país com a Bielorrússia devido a restrições ligadas ao novo coronavírus, que voltem para casa.

Israel pede a judeus na fronteira com a Ucrânia que voltem a casa
Notícias ao Minuto

10:03 - 17/09/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"Apesar dos muitos esforços para ajudar os israelitas a entrar na Ucrânia vindos da Bielorrússia ou da Moldávia, recebemos uma resposta final negativa das autoridades ucranianas", publicou o ministro israelita de Educação Superior e Água, Zeev Elkin, na rede social Twitter.

"A Ucrânia anunciou que não permitirá a entrada em seu território por meio de pontos de passagem de fronteira (...). Exorto aos nossos cidadãos a retornarem a Israel e a respeitarem as medidas de quarentena na chegada", adicionou o ministro.

Cerca de 2.000 peregrinos judeus estão presos na fronteira com a Ucrânia.

Os judeus hassídios - provenientes de Israel, mas também da França, Grã-Bretanha e dos Estados Unidos - esperavam participar numa peregrinação a Ouman, no centro da Ucrânia, e passaram pela Bielorrússia pensando que poderiam contornar as restrições impostas por Kiev diante do ressurgimento de casos do novo coronavírus em território ucraniano.

Autoridades ucranianas e israelitas pediram aos judeus hassídicos que renunciassem à peregrinação este ano devido à nova pandemia do novo coronavírus mas não foram ouvidas.

A Ucrânia acusou na quarta-feira a Bielorrússia de "exacerbar" a crise ", apelando a "não espalhar declarações falsas que tragam esperança aos peregrinos".

A maioria dos peregrinos está retida no posto fronteiriço de Novi Yarylovychi, que as autoridades ucranianas "fecharam completamente", garantindo ao mesmo tempo que "recebem comida e água".

De acordo com a Cruz Vermelha da Bielorrússia, no entanto, eles não têm "recursos suficientes para atender às suas necessidades" e agora teme-se "uma crise humanitária".

As autoridades ucranianas e israelitas apelaram à suspensão das cerimónias religiosas este ano por causa da epidemia global de SARS CoV-2.

No final de agosto, a Ucrânia fechou as fronteiras a estrangeiros por causa do aumento dos casos de contágio.

De acordo com a polícia da Ucrânia, milhares de peregrinos que se encontram em Ouman, apesar das restrições, têm de usar máscara de proteção sanitária e são sujeitos à medição de temperatura.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório