Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2020
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 23º

Edição

Timor investiga se policias facilitaram entradas ilegais na fronteira

O primeiro-ministro timorense disse hoje que estão a decorrer investigações para saber se agentes policiais timorenses ou agentes do lado indonésio colaboraram para permitir a entrada ilegal de mais de 160 pessoas nas últimas semanas em Timor-Leste.

Timor investiga se policias facilitaram entradas ilegais na fronteira
Notícias ao Minuto

09:46 - 17/09/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"A investigação está a decorrer para detetar se houve algum apoio daqui ou da parte indonésia. Quando a investigação estiver concluída, e se for necessário, tomaremos medidas", disse Taur Matan Ruak aos jornalistas.

O chefe do Governo falava aos jornalistas depois do encontro semanal com o Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, durante o qual analisaram esta e outras questões, com destaque para o debate orçamental.

Questionado pelos jornalistas, o primeiro-ministro admitiu uma "grande preocupação" sobre o elevado número de entradas ilegais, expliccando que o executivo está a estudar soluções para minimizar a situação.

Na semana passada Antonio Armindo, vice-ministro do Interior, disse à Lusa que nas últimas semanas entraram ilegalmente no país "mais de 160 pessoas", tendo todas sido detidas e canalizadas para locais de quarentena.

Apesar do reforço nas patrulhas e no policiamento, com a instalação de novos postos de polícia fronteira, Armindo admitiu que continuam a ser necessários mais agentes para a região.

"Aumentámos os postos de polícia. Não revelamos o número de agentes já no terreno, por questões de segurança, mas é preciso reforçar ainda mais o apoio à Unidade Especial Fronteira (UEF)", referiu.

A maior parte dos casos da entrada ilegal estão relacionados com membros de grupos de arte marciais que viajaram até ao lado indonésio da ilha para cerimónias de juramento e filiação neste tipo de organizações.

Taur Matan Ruak disse que a contribuir para as entradas ilegais estão as relações familiares na população fronteiriça, a questão do comércio transfronteiriço -- de que vivem muitas famílias -- e ainda a questão de grupos de artes marciais.

Neste último grupo, Taur Matan Ruak referiu-se ao largo número de membros da PSHT, o maior grupo de artes marciais, que entraram ilegalmente no país, facto que causou "grande preocupação" ao Ministério da Fronteira.

O governante disse que as autoridades estão a reforçar os controlos fronteiriços e em diálogo com a liderança da organização para que coopere para evitar essas entradas ilegais que aumentam o risco de contágio comunitário da covid-19.

Notando que o número de infetados no mundo, incluindo na vizinha Indonésia, continua a aumentar, Taur Matan Ruak recordou que Timor-Leste tem sido sorte nesta matéria, com apenas um caso ativo no país neste momento.

"Todos temos que contribuir para que a situação permaneça assim e não prejudique o resto da população", disse.

"Apelo a todos para que ajudem a contribuir para a segurança de todos os cidadãos", frisou.

Desde o início da pandemia Timor-Leste registou apenas 27 casos confirmados, todos com sintomas leves e muitos assintomáticos, dos quais apenas um ainda não recuperou.

A grande maioria desses casos foram de pessoas que entraram pela fronteira terrestre.

O país está no quinto período de 30 dias de estado de emergência que termina no início de outubro, com restrições às entradas no país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório