Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2020
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

Venezuela. Militares vão buscar eleitores a casa para votar nas eleições

O Presidente da Venezuela anunciou que os militares vão buscar eleitores a casa, no âmbito de um "plano de biossegurança" preventivo da covid-19, a ser ativado no dia das eleições parlamentares, previstas em 6 de dezembro.

Venezuela. Militares vão buscar eleitores a casa para votar nas eleições
Notícias ao Minuto

06:37 - 16/09/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"As Forças Armadas Nacionais Bolivarianas protegerão os eleitores desde a porta da sua casa até ao centro de votação, e do centro de votação à sua casa", disse Nicolás Madura, num discurso ao país, transmitido na segunda-feira pela televisão estatal venezuelana.

Maduro acrescentou que "alguns setores minoritários da oposição, desesperados, querem suspender as eleições (parlamentares) de 06 de dezembro".

O Presidente venezuelano afirmou que a suspensão das eleições "é impossível (...) Ir votar com todas as medidas que se estão tomando será mais seguro que ir comprar a uma farmácia ou mercearia".

A data das eleições é clara e o novo parlamento será instalado, por mandato constitucional em 05 de janeiro de 2021, indicou.

"Ninguém pode violar esse mandato da Constituição", frisou.

Maduro reiterou estar a trabalhar para que a vacina russa, Sputnik V, para o novo coronavírus SARS-CoV-2 chegue ao país antes de dezembro.

As próximas eleições legislativas na Venezuela estão marcadas para 06 de dezembro, data em que o Governo venezuelano espera renovar a Assembleia Nacional, onde a oposição é maioritária e que é presidida pelo opositor Juan Guaidó.

No entanto, 37 organizações, entre elas os quatro maiores partidos da oposição (Ação Democrática, Primeiro Justiça, Vontade Popular e Um Novo Tempo), anunciaram que não vão participar nas legislativas, que antecipam ser "uma fraude".

Desde junho, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela suspendeu a direção dos partidos opositores Vontade Popular, Primeiro Justiça e Ação Democrática, e também de vários partidos afetos ao regime, entre eles Pátria para Todos e Tupamaro, e ordenou que fossem reestruturados, nomeando direções provisórias para esses partidos.

A decisão foi classificada pela oposição como uma manobra de preparação "para uma nova farsa eleitoral", em que o regime decidirá quem preside aos partidos nas próximas eleições.

A Venezuela tem, desde janeiro, dois parlamentos parcialmente reconhecidos, um de maioria opositora, liderado por Juan Guaidó, e um pró-regime, liderado por Luís Parra, que foi expulso do partido opositor Primeiro Justiça, mas que continua a dizer que é da oposição.

Na Venezuela estão confirmados 61.659 casos de pacientes com a covid-19. Estão ainda confirmadas 494 mortes associadas ao novo coronavírus e 49.371 pessoas recuperaram da doença.

A Venezuela está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar "decisões drásticas" para combater a pandemia.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos até 12 de outubro e a população está impedida de circular entre os diferentes municípios do país.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório