Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Testes à vacina da AstraZeneca/Oxford já tinham sido suspensos em julho

A paragem anterior deveu-se ao facto de um dos voluntários ter sido diagnosticado com esclerose múltipla, mas concluiu-se que a doença não estava relacionada com a vacina.

Testes à vacina da AstraZeneca/Oxford já tinham sido suspensos em julho

A participante que fez suspender os testes à vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e Universidade Oxford, esta semana, foi uma mulher do Reino Unido que revelou sintomas neurológicos consistentes com uma doença inflamatória da espinal medula, a mielite transversa. O diagnóstico ainda não foi confirmado, mas a voluntária está a melhorar e deverá ter alta em breve.

Mas esta pausa nos ensaios que causou alarme, e fez correr tinta um pouco por todo o mundo, não foi a primeira. Os testes já tinham sido interrompidos há dois meses, em julho, depois de um dos voluntários ter sido diagnosticado com esclerose múltipla, mas concluiu-se que a doença neurológica não estava relacionada com a vacina.

Esta informação foi revelada durante uma reunião por videoconferência entre Pascal Soriot, diretor executivo da multinacional AstraZeneca, e os investidores, na manhã de quarta-feira. O site especializado em notícias de saúde Stat News teve acesso ao conteúdo do encontro através de três investidores que estiveram presentes na reunião.

Até agora, os comentários da farmacêutica sobre a mais recente suspensão têm sido escassos, exemplo disso é a falta de confirmação oficial de que se trata de uma segunda vez. A empresa, para já, disse apenas que "como parte dos testes globais controlados em andamento da vacina de Oxford contra o coronavírus, o nosso processo de revisão padrão desencadeou uma pausa na vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança".

Frisou ainda que se trata de "uma ação de rotina, que deve acontecer sempre que houver uma doença potencialmente inexplicada num dos ensaios, enquanto ela é investigada", de forma a garantir que é mantida "a integridade dos ensaios".

Ainda não se sabe quanto tempo vai durar a suspensão dos testes clínicos que estavam a ser realizados em larga escala em diversos locais nos EUA e no Reino Unido. Os ensaios da fase 3 da vacina da AstraZeneca começaram no final de agosto nos EUA. Já os testes de fase 2/3 foram iniciados anteriormente no Reino Unido, no Brasil e na África do Sul.

Esta é a vacina que se espera que chegue a Portugal caso seja eficaz. Ao todo, o país deverá receber 6,9 milhões de vacinas caso esta venha a ser bem sucedida.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório