Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 24º

Edição

Homens armados tomam duas sedes do partido opositor Ação Democrática

Homens armados tomaram hoje as duas sedes principais do partido da oposição Ação Democrática (AD), em El Paraíso e La Flórida, Caracas, denunciou o deputado e advogado Henry Ramos Allup.

Homens armados tomam duas sedes do partido opositor Ação Democrática

"A nossa sede nacional em La Flórida, como a regional de El Paraíso, foram assaltadas por grupos fortemente armados, apoiados por funcionários das Forças de Ações Especiais (FAES) e 'coletivos' motorizados do regime", denunciou na sua conta do Twitter.

Henry Ramos Allup, que presidiu ao parlamento venezuelano entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, escreveu ainda que os militantes do partido "estão chamados a defender firmemente" os "símbolos, casas e bandeiras" do partido e a "devolver a democracia à Venezuela".

"Saibam que não dominarão o AD nem a tiros, nem com controlos, nem intimidação. O sentimento que motiva a nossa direção e militantes é de não se ajoelhar e não ser parte de uma fraude [eleitoral]", frisou.

Segundo Henry Ramos Allup, "enquanto o atual regime continuar no poder nada melhorará" no país.

Entretanto, através das redes sociais, foram divulgados vídeos, gravados por telemóveis em viaturas em movimento, onde é possível ver várias pessoas, dentro das instalações de uma das sedes de Ação Democrática, em Caracas.

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) suspendeu as direções do Primeiro Justiça e da Ação Democrática em 16 de junho e a liderança da Vontade Popular e 07 de julho, e ordenou a reestruturação dos três partidos e a suspensão da expulsão de militantes.

AD (centro-esquerda), um dos partidos opositores mais antigos da Venezuela, era dirigido pelo político e ex-presidente do parlamento, Henry Ramos Allup, mas o STJ impôs uma nova junta de direção que será presidida pelo até agora secretário-geral Bernabé Gutiérrez.

A oposição diz tratar-se que é uma manobra de preparação "para uma nova farsa eleitoral", em que o regime decidirá quem preside aos partidos nas próximas eleições legislativas, previstas para 06 de dezembro.

AD é uma das 27 organizações opositoras que já anunciou que não participará nas eleições legislativas, uma posição contrária à do seu novo presidente que insiste que os "adecos" querem votar por ser uma maneira de solucionar a crise no país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório