Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

Chefe do porto sabia que "materiais eram perigosos mas não a este ponto"

O responsável do porto de Beirute admitiu que foram feitos pedidos para retirar os materiais explosivos, mas que esperou durante seis anos sem que a questão tivesse sido resolvida.

Chefe do porto sabia que "materiais eram perigosos mas não a este ponto"

Um dia depois das duas explosões que mataram mais de 100 pessoas e feriram cerca de quatro mil em Beirute, o responsável do porto da capital libanesa, onde as explosões tiveram origem, afirmou às televisões locais que os materiais armazenados num depósito “eram perigosos mas não a este ponto”.

O chefe do porto de Beirute, Hassan Koraytem, acrescentou que não havia explosivos guardados junto ao nitrato de amónio que explodiu, e revelou ainda que o material foi armazenado naquele local por ordem do tribunal. 

No entanto, admitiu que as autoridades libanesas já tinham enviado cartas para o porto a pedir que as 2.750 toneladas de amónio fossem retiradas ou exportadas. “Durante seis anos esperámos que esta situação fosse resolvida sem resultados”, salientou.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, considerou “inadmissível que um carregamento de nitrato de amónio, estimado em 2.750 toneladas, estivesse há seis anos num armazém, sem medidas de precaução”. O governante prometeu punir os responsáveis.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório