Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2020
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

Sissoco Embaló nega que esteja a auferir 100 mil dólares de salário

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, negou hoje estar a receber 100 mil dólares mensais, como salário, como denunciou o líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira.

Sissoco Embaló nega que esteja a auferir 100 mil dólares de salário
Notícias ao Minuto

20:32 - 03/08/20 por Lusa

Mundo Guiné

A partir de Portugal, onde se encontra desde o início da pandemia do novo coronavírus e através de um vídeo nas redes sociais, o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, acusou Sissoco Embaló de ter aumentado o salário mensal de Presidente da República de cerca de 30 mil dólares para 100 mil dólares.

Simões Pereira disse ser inadmissível que a Guiné-Bissau, um dos países mais pobres do mundo, tenha o Presidente a ganhar um salário superior ao do seu homólogo dos Estados Unidos de América, que afirmou aufere cerca de 24 mil dólares mensais.

No mesmo vídeo, Domingos Simões Pereira defendeu que o primeiro-ministro da Guiné-Bissau recebe um salário mensal equivalente a 60 mil dólares.

Embaló aproveitou as declarações aos jornalistas hoje no Palácio da Presidência, onde recebeu a representante do secretário-geral das Nações Unidas, na Guiné-Bissau, para desmentir as acusações de Simões Pereira, com quem disputou a segunda volta das últimas eleições presidenciais, em dezembro passado.

"Nem o Rei da Arábia Saudita aufere esse valor", notou Sissoco Embaló, para sublinhar que não pretende entrar em polémica "com o seu irmão" Domingos Simões Pereira, mas que chama de Sam Mamgwana, em referência irónica ao cantor da República Democrática do Congo, radicado em França.

"Sou Presidente da República não posso estar a responder a Sam Mamgwana, coitado do meu irmão Domingos Simões Pereira", disse.

Sissoco Embaló afirmou que nenhum chefe de Estado guineense auferiu um salário mensal superior a três mil dólares, mas que até gostaria de ter recursos suficientes para pagar ao Presidente da República 100 mil dólares mensais.

O chefe de Estado convidou Domingos Simões Pereira a regressar ao país "para se ocupar do seu partido, fazendo oposição construtiva" e preparar-se para daqui a cinco anos disputar novas eleições presidenciais, disse.

Embalo notou que já é o Presidente da Guiné-Bissau, eleito pelo povo, e que a campanha política já terminou, pelo que, convida todos os políticos do país a abraçarem a ideia da concórdia nacional que lançou.

"Sou um político preparado. Nunca aceitei casa de função sequer, prova disso é que até hoje vivo na minha residência pessoal e ando com o meu carro particular", destacou.

Embaló afirmou ser "uma vergonha" que a Guiné-Bissau seja um país independente há cerca de 50 anos, mas que não tem estradas em condições.

Pediu aos guineenses que lhe concederem um ano de mandato para construir, pelo menos, 200 quilómetros de estradas alcatroadas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório