Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2021
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

ONU alerta para avanço da pandemia na Amazónia e pede apoio internacional

A ONU alertou para o avanço da covid-19 na Amazónia brasileira, peruana e colombiana e apelou à comunidade internacional para que dê mais apoio à população destas áreas.

ONU alerta para avanço da pandemia na Amazónia e pede apoio internacional
Notícias ao Minuto

17:14 - 29/07/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Num comunicado conjunto emitido na terça-feira, as equipas das Nações Unidas naqueles três países expressaram a sua especial preocupação relativamente às cerca de 170.000 pessoas que vivem em áreas remotas ao longo da Amazónia, na fronteira entre o Brasil, o Peru e a Colômbia.

A maioria destas pessoas pertence a comunidades indígenas que sofrem de algumas das mais elevadas taxas de incidência da doença, segundo as Nações Unidas.

De acordo com a nota, como resultado da pandemia e apesar dos esforços dos governos dos três países, existe uma preocupação crescente de que as instituições de saúde possam estar sobrecarregadas e incapazes de responder adequadamente a esta situação, com o consequente custo em vidas.

A ONU assinala que a situação agravou-se pelas medidas de quarentena impostas há meses para pôr termo ao avanço da Covid-19, que estão a ter graves consequências socioeconómicas e provocando a fome entre aquelas populações.

A organização explicou que está a trabalhar com as autoridades dos três países para responder à situação, mas considerou que é necessária mais cooperação internacional.

"Apelamos a mais solidariedade internacional para expandir a nossa resposta às comunidades indígenas desta região e para complementar os esforços nacionais", disse Igor Garafulic, o coordenador residente da ONU no Peru, citado no comunicado.

"As Nações Unidas continuarão a apoiar os esforços dos governos. A coordenação entre os três países será fundamental para assegurar a resposta na fronteira", acrescentou a coordenadora residente na Colômbia, Jessica Faieta.

O seu homólogo no Brasil, Niky Fabiancic, observou, por seu lado, que o trabalho da ONU complementa o das autoridades nacionais e procura superar os "desafios logísticos e de programação, únicos", que esta região enfrenta para garantir a proteção dos direitos humanos dos povos indígenas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 660 mil mortos e infetou mais de 16,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 2,4 milhões de casos e 88.539 óbitos), depois dos Estados Unidos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório