Meteorologia

  • 17 JANEIRO 2021
Tempo
10º
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Vacina. Londres insiste que Rússia está envolvida em ciberataque

O chefe da diplomacia do Reino Unido afirmou hoje estar "absolutamente convencido" da ligação da Rússia ao ciberataque que visou roubar a investigação sobre uma vacina contra o novo coronavírus, o que Moscovo já desmentiu.

Vacina. Londres insiste que Rússia está envolvida em ciberataque
Notícias ao Minuto

14:01 - 19/07/20 por Lusa

Mundo Dominic Raab

Na quinta-feira, Reino Unido, Estados Unidos da América e Canadá acusaram um grupo de piratas informáticos ('hackers') de estarem por trás da tentativa de roubo das investigações de uma vacina contra o vírus SARS-CoV-2 e adiantaram que estes estavam "quase de certeza enquadrados nos serviços secretos russos".

Hoje, em entrevista à televisão Sky News, o chefe da diplomacia britânica, Dominic Raab, foi mais longe: "Temos absoluta certeza de que as agências de informação russas estiveram implicadas no ciberataque (...) com vista a sabotar ou lucrar com a investigação em curso".

E prosseguiu: "No momento em que o mundo se junta para tentar conter a covid-19, nomeadamente procurando uma solução mundial para uma vacina, é escandaloso e condenável que o Governo russo esteja implicado nesse ato."

O ministro britânico adiantou que Londres vai exigir a Moscovo "que preste contas" e "assegurar que o mundo conhece a natureza do [seu] comportamento inadmissível".

A Rússia já desmentiu qualquer envolvimento no ciberataque.

Em entrevista à BBC, o embaixador russo em Londres, Andrei Kelin, vincou que a acusação "não faz nenhum sentido" e que ouviu falar dos piratas informáticos pela primeira vez através da comunicação social britânica.

O embaixador destacou ainda que é impossível atribuir atos de pirataria informática a um país em particular.

As relações entre Reino Unido e Rússia estão em baixa desde que um antigo agente secreto russo foi envenenado em solo britânico, ato pelo qual Londres culpa Moscovo.

A Rússia nega qualquer envolvimento, mas o caso provocou uma vaga de expulsões de diplomatas em ambos os lados.

Londres acusou "agentes russos" de terem tentado perturbar as eleições legislativas de dezembro, pondo a circular documentos sobre um possível acordo comercial com os Estados Unidos depois da saída do Reino Unido da União Europeia.

Na mesma entrevista à BBC, o embaixador desmentiu as acusações de que Moscovo teria interesse em perturbar as eleições britânicas e garantiu que a Rússia está disponível a "virar a página" e a "fazer negócios" com o Reino Unido.

SBR // JH

Lusa/fim

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório