Meteorologia

  • 07 AGOSTO 2020
Tempo
23º
MIN 19º MÁX 33º

Edição

Novos protestos no Mali contra o atual regime causam sete mortes

Pelo menos sete pessoas morreram no sábado à noite em Bamaco, capital do Mali, nos protestos contra o atual regime e por discordarem dos resultados das eleições de abril, indicaram hoje fontes médicas.

Novos protestos no Mali contra o atual regime causam sete mortes
Notícias ao Minuto

14:14 - 12/07/20 por Lusa

Mundo Mali

Numa tentativa de conter o crescente descontentamento em grupos de opositores, e sendo essa uma das exigências dos manifestantes, o Presidente Ibrahim Boubacar Keita, conhecido por IBK, prometeu, num discurso ao país, revogar as decisões de membros do Tribunal Constitucional, alegadamente comprometido com o poder político.

Mas, as mortes ocorreram em confrontos policiais com membros do novo coordenador do "Movimento do 05 de junho - Reunião das Forças Patrióticas" (M5-RFP), o qual reúne a maior parte da oposição.

Agências internacionais relatam que no bairro de Badalabougou os confrontos foram "especialmente violentos", sobretudo em dois locais: nos arredores da casa de Mahmud Dicko, um imã antigo aliado de IBK que agora é líder da oposição, bem como junto à casa de Dagnoko Manassa, presidente do Tribunal Constitucional.

A polícia terá feito cerca de uma centena de detenções durante os distúrbios, de acordo com o primeiro-ministro, Boubou Cissé, que foi reconduzido no cargo pelo presidente em 11 de junho.

Observadores temem que os funerais desencadeiem novos confrontos esta tarde.

A renúncia do Tribunal Constitucional foi uma das exigências dos manifestantes, mas existem outras reivindicações consideradas mais difíceis de concretizar como a dissolução da Assembleia Nacional ou a renúncia do próprio Presidente IBK.

Ibrahim Boubacar Keita apontou, num comunicado divulgado de manhã, que está disposto a continuar o diálogo com a oposição, no entanto criticou o que diz ser a "incitação à violência" por pessoas ligadas ao M5-RFP, às quais, prometeu, "o Estado responderá sem qualquer fraqueza".

O chefe de Estado também reconheceu que os protestos de sábado criaram "fatalidades", mas disse não ter conhecimento de mais pormenores e que aguardará pela investigação em curso.

Já o imã Mahmoud Dicko partilhou hoje um vídeo nas redes a apelar à calma junto dos seus simpatizantes, isto após dois dias de protestos sangrentos em Bamaco.

"Não provoquem ninguém. Não ataquem ninguém. Vou falar hoje à tarde e será transmitido pela televisão. Antes disso, não ateiem fogo a postos de gasolina. Acalmem-se, por favor! Acalmem-se! Acalmem-se!", apelou num vídeo gravado na mesquita onde é pregador.

Keita, que está a dois anos do fim do seu mandato, permanece no cargo desde 2013.

O movimento 05 de Junho é integrado por religiosos, políticos e personalidades da sociedade civil.

Esta contestação já se havia feito sentir na sexta-feira, dia em que se registou um morto e 20 feridos e no qual ocorreram incidentes na sede da Assembleia Nacional.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório