Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2020
Tempo
25º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Direitos Humanos: EUA saúdam primeiras sanções pós-'Brexit' de Londres

O secretário de Estado norte-americano saudou hoje as primeiras sanções anunciadas pelo Reino Unido após sair da União Europeia (UE) e que visam entidades russas e sauditas, no quadro do novo mecanismo de punição das violações dos direitos humanos.

Direitos Humanos: EUA saúdam primeiras sanções pós-'Brexit' de Londres

"As sanções marcam o início de uma nova era para a política de sanções britânica e para a cooperação entre as nossas duas democracias", afirmou Mike Pompeo, num comunicado.

O Governo britânico anunciou hoje um novo regime de sanções a 49 entidades e indivíduos, incluindo 25 cidadãos russos envolvidos na morte de Sergei Magnitsky e 20 sauditas envolvidos na morte do jornalista Jamal Khashoggi

Em Londres, a embaixada russa, num comunicado, indicou que a Rússia vai responder às sanções "hostis" anunciadas por Londres contra 59 pessoas e entidades, 25 delas russas.

"A Rússia reserva-se ao direito de tomar as medidas de retaliação ligadas à decisão hostil do Reino Unido", lê-se num comunicado da embaixada da Rússia em Londres, salientando que as sanções representam a vontade de "pressionar Estados soberanos".

A lista inclui dois generais militares do Myanmar (antiga Birmânia) envolvidos na repressão contra o povo rohingya e outras minorias étnicas e duas organizações envolvidas no trabalho forçado, tortura e mortes em campos da Coreia do Norte. 

O Governo britânico considera que este regime cria "novos poderes para impedir que pessoas envolvidas em graves violações de direitos humanos entrem no Reino Unido, canalizem dinheiro através de bancos britânicos e tirem proveito da economia" do país.

Outro dos visados é Alexandre Bastrykine, "patrão" do poderoso Comité de Investigação, organismo diretamente dependente do Kremlin e encarregado das principais questões criminais.

O objetivo é punir os visados independentemente do regime normal de sanções geográficas alargado ao país inteiro, em particular pelo homicídio contra jornalistas ou violações e abusos motivados por motivos de religião ou crença.

"Esta é uma demonstração do compromisso do Reino Unido Global em agir como uma força do bem no mundo", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Dominic Raab, hoje no parlamento.

O regime é inspirado na Lei Magnitsky dos EUA, adotada em 2012 e criada para punir responsáveis pela morte do advogado russo que denunciou vários casos de corrupção e de fraude fiscal por parte das autoridades do seu país e morreu em prisão preventiva, em 2009.

Simbolicamente, Raab vai encontrar-se mais tarde com a viúva e o filho de Sergei Magnitsky, Natalia e Nikita, junto com o amigo e colega Bill Browder, que liderou um grupo de pressão para este tipo de sanções serem introduzidas internacionalmente. 

Magnitsky era um advogado russo que morreu na prisão em 2009 depois de denunciar uma grande rede de corrupção.

O jornalista saudita Jamal Khashoggi foi assassinado em outubro de 2018 no interior do consulado saudita na Turquia, que está a julgar 20 suspeitos sauditas de envolvimento na morte, em que as autoridades locais denunciaram também o envolvimento do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório